Edição nº 1096 15.11 Ver ediçõs anteriores

Trump x Trump, o candidato e o presidente

O que o discurso da vitória indica, e o que muda para o Brasil 

Trump x Trump, o candidato e o presidente

Em discurso apaziguador, Trump disse que vai "governar para todos os americanos"

Ao discursar para seus correligionários em Nova York na madrugada da quarta-feira (9), o candidato Donald Trump mostrou haver desaparecido. O 45º presidente eleito dos Estados Unidos falou em um tom totalmente diferente. Começando pelo tom de voz, mais calmo, e o discurso, apaziguador, Trump fez o possível para reduzir as tensões. Cumprimentou Hillary Clinton, a quem havia atacado duramente durante a campanha, e falou em “governar para todos os americanos”.

Trump foi bastante eficaz durante a campanha em se distanciar da imagem de um político tradicional para atrair um eleitor que, em geral, está muito desencantado com os políticos em geral. Os números mostram isso: apesar de a economia americana estar se recuperando e o desemprego vir caindo sistematicamente, o americano médio, empregado em uma companhia ou pequeno empresário, vem se ressentindo de uma concentração de renda cada vez maior.

Enquanto o governo mantém os juros baixos e os bancos lucram cada vez mais, o americano médio vem tendo mais problemas para pagar as contas do médico e mandar os filhos para a faculdade. Nesse cenário, o discurso de ganhos com a globalização já não empolga. Apesar de inegáveis, esses ganhos são distribuídos de maneira muito irregular. E essa desigualdade foi o grande cabo eleitoral de Trump.

O que esperar? Na avaliação dos economistas, haverá uma grande turbulência na abertura dos mercados no Brasil nesta quarta-feira. “Trump representa uma indefinição, principalmente em pontos críticos da condução da política econômica, como a política fiscal e a política monetária”, diz Roberto Indech, analista da Rico Corretora. Não por acaso, ao longo da madrugada, índices de ações na Ásia e na Europa chegaram a cair mais de 4% e o peso mexicano atingiu seu nível mais fraco em relação ao dólar nos últimos oito anos. No sentido oposto, ativos tradicionalmente ligados à proteção, como o ouro, chegaram a subir mais de 2%.

Os prognósticos para a abertura dos negócios hoje no mercado brasileiro são semelhantes. O dólar poderá subir até algo como R$ 3,50 ou R$ 3,60, e  as ações poderão recuar bastante, pelo menos na abertura dos negócios, mandando o Índice Bovespa para baixo de 59 mil pontos. No entanto, na avaliação do economista Roberto Luiz Troster, especializado no sistema bancário, essa turbulência será de curta duração.

Para Troster, os fundamentos da economia brasileira não serão muito afetados pela mudança, e isso ocorre por dois motivos. O primeiro é que, independente da retórica, os presidentes americanos têm poderes rigidamente delimitados. “Não nos esqueçamos que, mesmo em dois mandatos, o presidente Barack Obama não conseguiu fechar a base de Guantánamo”, diz ele. O segundo motivo é que o discurso protecionista de Trump terá pouco impacto sobre o Brasil, que ainda é deficitário nas relações comerciais com os Estados Unidos. “Em termos de comércio exterior, os Estados Unidos dependem mais do Brasil do que o Brasil dos Estados Unidos”, diz Troster. 


Mais posts

Por que a Lush vai fechar as portas no Brasil de novo

Quatro anos após ter reiniciado suas atividades no Brasil, a empresa britânica de cosméticos de luxo Lush está fechando as portas de [...]

Bradesco venderá previdência pelo celular

A Bradesco Vida e Previdência vai aproveitar uma mudança na regulamentação do mercado e, a partir do dia 29 de janeiro, começa a distribuir planos de previdência privada pelo celular. No dia 26 de janeiro entra em vigor uma resolução do Conselho Nacional dos Seguros, que dispensa as empresas de registrar os contratos por meio […]

Bradesco vende mais previdência usando a tradicional promoção

Isenção da taxa de carregamento em novos aportes elevou vendas de novembro em 38%

Gestor de fundos imobiliários questiona taxas cobradas pelo Credit Suisse

André Freitas, da Hedge Investments, solicita convocação de assembleia para reduzir taxas de 1,5% para 0,6%

Saída de Maria Silvia do BNDES já era esperada, diz analista

Já era esperado o pedido de demissão de Maria Sílvia Bastos Marques da presidência do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.