Edição nº 1134 19.08 Ver ediçõs anteriores

Para adiar o apocalipse

Para adiar o apocalipse

A Organização das Nações Unidas (ONU) surgiu, em 1945, nos escombros da Segunda Guerra Mundial, com diversos objetivos. Um dos principais era banir o uso de armas nucleares. As décadas se passaram e as bombas atômicas e de hidrogênio sobreviveram, e serviram para mostrar força durante a Guerra Fria. E também como instrumentos de dissuasão até mesmo em conflitos regionais, como as tensões entre Índia e Paquistão e entre as duas Coreias. Na segunda-feira 31, a ONU deu um passo determinante para atingir o objetivo de cumprir uma de suas missões originais. Em reunião do Primeiro Comitê da Assembleia Geral da ONU, 123 nações votaram em favor de uma resolução que dará início a negociações em 2017 para tornar ilegais as armas nucleares. Foram contrárias 38 nações, incluindo as potências nucleares EUA, Rússia, França e Reino Unido, e 16 se abstiveram. Haverá uma conferência em março do próximo ano para abrir as discussões. O Brasil foi um dos líderes dentre os 57 países que patrocinaram a proposta, participando da redação do texto. Os outros líderes foram a Áustria, Irlanda, México, Nigéria e África do Sul. A votação aconteceu horas depois de o Parlamento Europeu adotar uma resolução no assunto, vencida por 415 a 124, em favor da proibição. Existem no mundo 15 mil armas nucleares, espalhadas por nove países.

(Nota publicada na Edição 992 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Whiskas promove adoção e castração de gatos de rua

O ditado diz que os gatos têm sete vidas. Mas para muitos dos bichanos, a única vida que possuem é triste, sem lar, entregue a própria [...]

Americanas leva curso de empreendedorismo para Amazônia

Decorrente de uma parceria firmada com a Fundação Amazonas Sustentável (FAS), em 2018, a Lojas Americanas está promovendo alternativas [...]

Alemanha bloqueia R$ 156 milhões para projetos ambientais no Brasil

Em junho, Jair Bolsonaro celebrou um acordo histórico: o trato de livre comércio entre o Mercosul e a União Europeia, que já era discutido há duas décadas. A decisão, no entanto, pode estar em risco. Após uma série de atritos envolvendo países europeus e o Brasil, por sua postura inerte em relação ao avanço do […]

McDonald’s quer McLanche feliz mais saudável

A Arcos Dorados, franqueadora master do McDonald’s para América Latina, decidiu repaginar o cardápio de um de seus principais itens: o [...]

Desmatamento na Amazônia cresce 278% em julho

A exoneração de Ricardo Galvão, diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), no dia 2 de agosto, não foi suficiente [...]
Ver mais