Edição nº 1121 17.05 Ver ediçõs anteriores

Primeiras impressões sobre o vinho da África do Sul

Primeiras impressões sobre o vinho da África do Sul

Natasha Bozs é a enóloga responsável pela linha de vinhos brancos da Nederburg

Cidade do Cabo – A enóloga Natasha Bozs foi o que mais me chamou atenção na minha segunda visita à África do Sul, realizada em meados de setembro. Na primeira viagem, em 2004, com o país recém-saído do regime do apartheid e temeroso de não conseguir terminar as obras para a Copa do Mundo, o universo do vinho era um campo para os brancos. Não apenas nos vinhos – por mais que os brancos, com variedades como sauvignon blanc, chardonnay, semillon e chenin blanc, eram e continuam a ser boas pedidas sul-africanas. Na época, minha principal observação era que tinha viajado para a África, provado bons vinhos, mas não tinha visto nem negros, nem leões ou elefantes.

Dessa vez, vi leões, elefantes e zebras em um safari bem turístico próximo à Cidade do Cabo. E a primeira enóloga a apresentar seus vinhos foi a Natasha, no programa de visitas da Distell para preparar o espírito para a 42ª edição do leilão da Nederburg, realizado nos dias 17 e 18 de setembro e com arrecadação recorde de 7.593.200 rands (pouco mais de R$ 1,8 milhão). Natasha é simpática, sorridente, competente e negra. Ela chegou como estagiária na Nederburg em 2008 e desde 2013 é a enóloga responsável pela linha de brancos dessa enorme vinícola.

A jovem Natasha fala com propriedade e sinceridade dos seus vinhos. Primeiro, nem hesitou em criticar a pinotage, a variedade, teoricamente, emblemática do país, mas que não é uma unanimidade entre os enólogos locais. Ela nunca provou um pinotage que a emocionasse, confessou. E na relação de rótulos escolhidos para a degustação com o grupo de jornalistas, a pinotage não estava nas escolhidas entre as diversas variedades cultivadas pela Nederburg.

Nos brancos, ela se encanta com a chenin blanc, uma das variedades mais plantadas da África do Sul. “É uma uva muito diversa”, conta ela. Natasha defende tanto os chenin elaborados apenas em aço inox como aqueles que passam por barricas de carvalho, como os vinhos de sobremesa. Vale confiar na enóloga.


Mais posts

A importância crescente do enoturismo

A francesa Alice Tourbier, do Les Sources de Caudalie, é o principal destaque do Invino Wine Travel Summit, que acontece nesta [...]

Brasil e Chile fazem acordo de equivalência para produtos orgânicos

Os dois países vão reconhecer a certificação válida no país de origem

Por que a Salton é a marca número 1 de vinho do Brasil?

Pesquisa da inglesa Wine Intelligence aponta que a vinícola é a marca de vinhos mais forte no País

Mulheres e vinho: a presença crescente das sommelières no Brasil

Annas, Gabrielas, Jô, Marias, Julianas são exemplos de mulheres que estão escrevendo a história do serviço do vinho em nosso país

Viviana Navarrete e os desafios das mulheres nas vinícolas chilenas

Principal enóloga da Viña Leyda, ela conta como venceu os desafios para chegar à liderança após muito trabalho, dedicação e perseverança,
Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.