Edição nº 1087 14.09 Ver ediçõs anteriores

Seguir em frente é a única opção

Seguir em frente é a única opção

Para dar o primeiro passo e trilhar novos caminhos, é preciso identificar qual sua vocação para abrir uma empresa

Depois de meses de incertezas políticas e econômicas, o Brasil virou a página de um capítulo importante da sua história com a final do impeachment. As instituições financeiras sinalizam otimismo em relação ao futuro do País, afirmando que a partir da definição do novo governo, e na expectativa do ajuste fiscal e das reformas estruturais, o Brasil passa a ter seu caminho definido de forma mais clara e efetiva.

É o que todos desejamos e o que todos devemos buscar. Não devemos ficar apenas esperando que os outros resolvam assuntos que são do nosso interesse, enquanto cruzamos os braços e assistimos sentados na plateia. 

Se este é um momento da retomada do crescimento do ponto de vista econômico, é também o momento da retomada dos projetos pessoais, profissionais e da retomada da confiança. É o momento de voltar para o caminho de onde se parou e seguir em frente.

Muitas pessoas, com medo do imprevisível, ficaram à beira da estrada aguardando que alguma coisa acontecesse, enquanto seus projetos estavam paralisados. Afinal, muitas pessoas acreditam que a melhor forma de não ter decepções é não se arriscar. É um pensamento comum a muitos empreendedores, e que pode até fazer sentido de certa maneira, mas que não combina com empreendedores que ousam buscar o sucesso.

Empreender é assumir riscos e encontrar oportunidades mesmo quando o sinal está amarelo. Mesmo quando quase tudo diz que não, há diversas formas de inovar frente às incertezas: qualificar mão-de-obra, capacitar funcionários, trabalhar a fidelização e a satisfação de seus clientes. A junção de pequenas atitudes é capaz de nos manter no controle da situação.

Na década de1980 o sinal estava amarelo para mim: era uma época de muitas incertezas, inflação nas alturas, troca constante de moedas e ministros. Íamos dormir com os produtos custando um preço, acordávamos com os mesmos produtos custando o dobro. E apesar de toda a turbulência resolvi que aquele era o momento certo para empreender, encarando o governo Fernando Collor de Mello e o seu confisco.

Arrisquei, fui em frente. Em 1994, quando veio o Plano Real e a estabilização da moeda, a Wizard já contava com uma rede de 200 unidades espalhadas pelo Brasil, tínhamos a plataforma instalada e pudemos colher os frutos das sementes que plantamos outrora. Apesar da turbulência econômica e política nos últimos anos não fiquei parado. A rede Mundo Verde saltou de 250 para 400 pontos em todo o Brasil. Recentemente inauguramos as primeira lojas Taco Bell no Brasil com plano de abrir 100 lojas até o ano 2020. Se hoje eu puder dar um conselho a um jovem empreendedor, diria que agora é hora de lançar seu projeto, arriscar-se, seguir em frente. Essa é a única opção para quem deseja um futuro brilhante, promissor e próspero.


Mais posts

Marketing Multinível muda vidas e movimenta a economia

Desde que iniciei minha jornada de negócios no setor de Marketing Multinível venho reafirmando minha paixão pelo sistema de vendas [...]

Cinco atitudes para quem quer alcançar o sucesso

Atitudes positivas e estrategicamente pensadas são fatores imprescindíveis para os empreendedores que trabalham em busca de resultados. [...]

Fintechs: o futuro dos serviços financeiros no País

A relação dos consumidores com as instituições financeiras tem mudado ao longo dos últimos anos. A urgência por praticidade, rapidez e [...]

Cinco hábitos para uma gestão de tempo eficiente

A vida de executivos e empresários pode ser comparada a uma maratona: é uma corrida contínua para cumprir inúmeros compromissos no [...]

A pessoa certa no lugar certo

Um dos maiores desafios do empreendedor é fazer seu negócio crescer de forma consistente e lucrativa. Com a experiência de 30 anos [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.