Edição nº 1142 14.10 Ver ediçõs anteriores

Desemprego recorde: infelizmente a DINHEIRO acertou

Reportagem publicada em outubro de 2014 já mostrava a tendência negativa, mas o governo Dilma Rousseff ignorou os problemas

Desemprego recorde: infelizmente a DINHEIRO acertou

Reportagem de capa, em 2014, alertava para um período difícil no mercado de trabalho

O desemprego acaba de atingir 11,6%, o maior patamar da série histórica do IBGE, iniciada em 2012. O dado, divulgado nesta terça-feira 30, mostra que 11,8 milhões de brasileiros estão desocupados. Em outubro de 2014, na véspera do 2º turno das eleições presidenciais, a taxa era de apenas 6,6%. Naquele instante, eu publiquei na ISTOÉ Dinheiro uma capa com o título “Desemprego: o monstro acordou”. O País do pleno emprego tinha virado um sonho de uma noite de verão.

Acusada pelos petistas de favorecer os tucanos, a reportagem apenas constatava uma tendência inexorável no mercado de trabalho. Com a deterioração econômica, a eliminação de vagas seria uma consequência natural. Independentemente de que vencesse a eleição, o estrago já estava feito e as demissões, “agendadas”. Era apenas uma questão de tempo. Como é sabido em economia, a variável do desemprego é a última a piorar numa crise, pois os empresários tentam, ao máximo, evitar as demissões.

Durante o debate eleitoral, a presidente Dilma Rousseff escondeu os problemas econômicos da população menos esclarecida. Não é difícil imaginar que muitos eleitores votaram nela com a convicção de que aquela taxa de 6,6% de desemprego seria uma realidade duradoura. Ontem, em seus discursos no Senado Federal, Dilma afirmou que os problemas econômicos só ficaram nítidos após outubro de 2014. Por isso, segundo ela, as medidas de ajustes foram propostas somente depois da eleição.

Muitos analistas independentes já destacavam diversos problemas econômicos antes mesmo da Copa do Mundo. O governo fingiu ignorá-los e dizia que os críticos tinham interesses políticos. Infelizmente (para a economia) a capa da DINHEIRO em outubro de 2014 estava certa. O desemprego praticamente dobrou, se tornando mais um exemplo de que a tragédia econômica era previsível. Pasmem! Quase dois anos depois, Dilma continua sem entender os problemas econômicos do País.    


Mais posts

Após o susto da recessão, quando virá o crescimento econômico?

Olá, pessoal, tudo bem? Ufa! Nesta quinta-feira 29, o IBGE eliminou oficialmente o risco de uma recessão no Brasil. O instituto anunciou uma expansão de 0,4% do Produto Interno Bruto (PIB) no 2º trimestre, após uma retração de 0,1% no 1º trimestre. Se a economia tivesse encolhido novamente, o País estaria tecnicamente em recessão (quando […]

Com enorme atraso, BC finalmente reduz juros básicos

Olá, pessoal, tudo bem? Em março deste ano, quando o IBGE divulgou que havia 12,7 milhões de desempregados no Brasil, eu defendi o [...]

Por que as concessionárias estão revoltadas com as montadoras num mercado que cresce 12%?

Olá, pessoal, tudo bem? Praticamente alheio ao Pibinho deste ano, o setor automotivo registrou um crescimento de 12,13% nas vendas de [...]

Reforma sem Estados e municípios é remendo

Olá, pessoal, tudo bem? A Reforma da Previdência está chegando a um momento decisivo no Congresso Nacional. O relatório final, que será [...]

O PIB encolheu. A culpa é dos Três Poderes!

Olá, pessoal, tudo bem? Na economia, tudo mal. O Produto Interno Bruto (PIB) encolheu 0,2% no primeiro trimestre em relação ao fim do [...]
Ver mais