Desemprego recorde: infelizmente a DINHEIRO acertou

Reportagem publicada em outubro de 2014 já mostrava a tendência negativa, mas o governo Dilma Rousseff ignorou os problemas

Desemprego recorde: infelizmente a DINHEIRO acertou

Reportagem de capa, em 2014, alertava para um período difícil no mercado de trabalho

O desemprego acaba de atingir 11,6%, o maior patamar da série histórica do IBGE, iniciada em 2012. O dado, divulgado nesta terça-feira 30, mostra que 11,8 milhões de brasileiros estão desocupados. Em outubro de 2014, na véspera do 2º turno das eleições presidenciais, a taxa era de apenas 6,6%. Naquele instante, eu publiquei na ISTOÉ Dinheiro uma capa com o título “Desemprego: o monstro acordou”. O País do pleno emprego tinha virado um sonho de uma noite de verão.

Acusada pelos petistas de favorecer os tucanos, a reportagem apenas constatava uma tendência inexorável no mercado de trabalho. Com a deterioração econômica, a eliminação de vagas seria uma consequência natural. Independentemente de que vencesse a eleição, o estrago já estava feito e as demissões, “agendadas”. Era apenas uma questão de tempo. Como é sabido em economia, a variável do desemprego é a última a piorar numa crise, pois os empresários tentam, ao máximo, evitar as demissões.

Durante o debate eleitoral, a presidente Dilma Rousseff escondeu os problemas econômicos da população menos esclarecida. Não é difícil imaginar que muitos eleitores votaram nela com a convicção de que aquela taxa de 6,6% de desemprego seria uma realidade duradoura. Ontem, em seus discursos no Senado Federal, Dilma afirmou que os problemas econômicos só ficaram nítidos após outubro de 2014. Por isso, segundo ela, as medidas de ajustes foram propostas somente depois da eleição.

Muitos analistas independentes já destacavam diversos problemas econômicos antes mesmo da Copa do Mundo. O governo fingiu ignorá-los e dizia que os críticos tinham interesses políticos. Infelizmente (para a economia) a capa da DINHEIRO em outubro de 2014 estava certa. O desemprego praticamente dobrou, se tornando mais um exemplo de que a tragédia econômica era previsível. Pasmem! Quase dois anos depois, Dilma continua sem entender os problemas econômicos do País.    


Mais posts

Declaração de Guedes sobre domésticas na Disney foi muito infeliz

Olá, pessoal! Tudo bem? Quem acompanha o meu trabalho sabe que eu elogio constantemente a agenda econômica do ministro Paulo Guedes. [...]

O que já podemos aprender com os riscos em 2020?

Olá, pessoal! Tudo bem? O mês de janeiro passou como num estalar de dedos, mas esse início de ano nos trouxe inúmeras lições [...]

2020 será o ano do crédito. Isso é bom?

Olá, pessoal! Tudo bem? No apagar das luzes de 2019, gostaria de escrever algumas linhas sobre 2020. Conforme tenho repetido em artigos [...]

O Brasil está crescendo quase o dobro. E pode avançar mais!

Olá, pessoal, tudo bem? Nos últimos dias, diversos indicadores econômicos vieram acima das expectativas dos analistas, sinalizando uma [...]

STF é fonte inesgotável de insegurança jurídica

Olá, pessoal, tudo bem? O julgamento da constitucionalidade da prisão em segunda instância no Supremo Tribunal Federal (STF) ainda não [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.