Edição nº 1125 14.06 Ver ediçõs anteriores

Por que eu acredito que a Olimpíada 2016 deu certo para o Brasil

Por que eu acredito que a Olimpíada 2016 deu certo para o Brasil

É a primeira vez que os Jogos Olímpicos serão realizados em um país da América do Sul

Um dos eventos mais importantes do esporte está prestes a começar. A Olimpíads 2016, que este ano será realizada no Brasil, é um dos maiores espetáculos da Terra e reunirá mais de 10 mil atletas de elite, de 206 países, competindo em mais de 40 diferentes categorias. Serão 12 dias em que as atenções do mundo estarão voltadas para nós, brasileiros.

É a primeira vez que os Jogos Olímpicos serão realizados em um país da América do Sul. E apesar da grandiosidade do evento, há um clima de desconfiança no ar decorrente do momento político e econômico que vivemos. 

Além do descontentamento relacionado às falhas das ações governamentais, é evidente que existiram problemas relacionados à organização e estrutura oferecida para receber os atletas e turistas que acompanharão os jogos, noticiados pela mídia nacional e internacional. Tudo isso engrossa o discurso de que as Olimpíadas serão um fiasco para o Brasil.

Quanto mais próximos do início da Olimpíada, mais questões são levantadas sobre qual é o legado que ela deixará para o País. O fato é que, independentemente de tudo o que tem sido dito e de todos os problemas que estão sendo apontados, os jogos irão acontecer.

Entendo que, apesar de todos os fatores que jogam contra o evento neste momento, ainda há motivos para otimismo. Na melhor das hipóteses, os jogos olímpicos estão movimentando a economia do País, gerando negócios para pequenas e médias empresas.

De acordo com dados da Confederação Nacional de Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), a realização dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos deve gerar receita de mais de R$ 2,5 bilhões para o setor de turismo do Rio de Janeiro. Isso significa um aumento de 18,8% na comparação com o mesmo período de 2015.

Os benefícios não se restringem ao turismo e nem apenas ao Rio. Uma pesquisa divulgada recentemente aponta que os jogos devem gerar 1,08 milhão de empregos diretos e 718,8 mil indiretos, distribuídos entre as cinco regiões do País. Construção civil, comércio, serviços de informação são apenas alguns dos setores impactados pelos jogos, para citar apenas poucos exemplos.

Do ponto de vista do comércio exterior, a realização dos jogos proporcionará um momento único.  Será a oportunidade para que empresários, investidores e turistas de todas as partes do mundo conheçam o potencial do mercado brasileiro, o que pode atrair, a médio e longo prazo, o investimento estrangeiro ao país e alavancar ainda mais as exportações.

De uma maneira muito otimista, acredito que a Olimpíada 2016 deixará um legado positivo para o Brasil. Apesar de todos os pontos contra, será o momento de mostrar ao mundo todo o nosso potencial, aquilo que nós temos de melhor: o próprio povo brasileiro.


Mais posts

Você pegou a senha?

É claro que uma empresa com processos bem definidos ganha em eficiência, e ser eficiente é fundamental para que qualquer negócio dê [...]

Um ano para empreender

Há muito tempo não começamos um ano com expectativas tão positivas em relação à economia quanto sentimos no início de 2019: o setor [...]

Não podemos cruzar os braços para a situação dos imigrantes venezuelanos

Tenho dedicado parte do meu tempo para convocar líderes empresariais e religiosos a abraçarem uma causa importante: o fluxo migratório [...]

Marketing Multinível muda vidas e movimenta a economia

Desde que iniciei minha jornada de negócios no setor de Marketing Multinível venho reafirmando minha paixão pelo sistema de vendas [...]

Cinco atitudes para quem quer alcançar o sucesso

Atitudes positivas e estrategicamente pensadas são fatores imprescindíveis para os empreendedores que trabalham em busca de resultados. [...]
Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.