Edição nº 1103 11.01 Ver ediçõs anteriores

Brasil no radar da Hungria

Brasil no radar da Hungria

László Szabó é o vice-chanceler da Hungria

A Hungria quer dobrar o volume de negócios com o Brasil, dos atuais € 500 milhões anuais, para € 1 bilhão até 2018, entre investimentos diretos e intercâmbio comercial. Segundo o vice-chanceler László Szabó, o País é uma das prioridades da estratégia de política externa húngara batizada de “Abertura para o Sul”, implantada a partir do ano passado. 

Szabó, foi a principal atração do Fórum Empresarial Brasil-Hungria, realizado na segunda quinzena de maio na sede da Confederação Nacional do Comércio, no Rio de Janeiro, promovido pelo escritório Nelson Wilians & Advogados Associados e pela Brazilian-Hungarian Trading House (ITH).  

De acordo com Szabó, nos últimos cinco anos, o governo húngaro fez exatamente o contrário do que o governo brasileiro está fazendo agora com a economia, pois já tinha a experiência de ter contornado a crise de 2009. 

Com uma série de medidas de estímulo, como a redução de impostos para empresas e indústrias, flexibilização das leis trabalhistas e melhora nas condições de investimento no país, ano passado a Hungria bateu todos os recordes, reduzindo o desemprego de 12% para 6%. 

“Em decorrência, fomos apontados pela revista Forbes com um dos melhores destinos para investimentos”, afirmou Szabó. Segundo ele, os empresários húngaros estão particularmente interessados em investir nos setores de água e esgoto e de saúde, no Brasil.


Mais posts

Aposta na Inteligência Artificial

Em 2006, o carioca Danilo Carvalho, encerrou uma carreira de executivo no Banco do Brasil, onde ingressara três décadas antes, ainda [...]

Sob gestão de Abilio, BRF perde quase um Pão de Açúcar em valor de mercado

Quando assumiu a BRF, seu valor de mercado era de R$ 39,2 bilhões. Hoje, é de R$ 20,2 bilhões, pouco mais que o do Pão de Açúcar

Exportações de calçados crescem 9,3%, melhor resultado desde 2013

No período, foram embarcados 127,13 milhões de pares, que geraram uma receita de US$ 1,09 bilhão

Target derrota a ABNT no STJ

ABNT e Target travam uma batalha há quase uma década para definir os direitos de uso dos materiais técnicos produzidos pela empresa [...]

Stefanini volta a crescer e quer entrar no clube do bilhão de dólares em 2018

Depois de ver seu faturamento patinar na casa dos R$ 2,6 bilhões em 2015 e 2016, a Stefanini, uma das maiores empresas brasileiras da [...]
Ver mais
X

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.