Coluna

Green card por US$ 500 mil

Green card por US$ 500 mil

Carlos Hawker é o Chefe de Desevolvimento para a América Latina da LCR Capital Partners

Na esteira do crescimento do contingente de brasileiros interessados em emigrar e investir nos Estados Unidos, a americana LCR Capital Partners, decidiu reforçar sua presença no País. A empresa, baseada em Westport, no Estado americano de Connecticut, está lançando um projeto que permite a aquisição do greencard, através do visto de investidor, conhecido como EB-5. 

Segundo Carlos Hawker, Chief Development Officer Latin America da LCR Capital Partners, o projeto é focado no financiamento, construção e operação de lojas da Dunkin’ Donuts, a segunda maior rede de cafeterias dos EUA, mediante a aplicação de US$ 500 mil por participante. “O programa EB-5 é voltado, basicamente, para a geração de empregos no mercado americano”, diz Hawker. “O investimento deverá criar emprego para ao menos 10 pessoas, garantindo, em troca, o visto permanente para os que injetaram dinheiro e suas famílias.” Detalhe: o investidor não se envolve diretamente com a operação das lojas, que fica por conta de franqueados escolhidos pelo programa.

A meta da LCR é reunir 98 investidores – um primeiro projeto semelhante, desenvolvido no início do ano, contou com 12 participantes, que investiram na região de Nova York, criando mais de 300 empregos. “Já o atual projeto prevê a abertura de lojas Dunkin’ Donuts nos Estados do Texas, Alabama, Louisiana e Mississipi”, diz Hawker. Basicamente, de acordo com ele, o público-alvo da LCR é formado por pessoas que fazem um planejamento familiar de longo prazo e  pensam em emigrar para os EUA, preocupadas em assegurar uma educação de qualidade aos filhos, obter melhores oportunidades profissionais e garantir uma aposentadoria mais tranquila, no futuro.

“Não se trata de gente desesperada para sair do Brasil, movida pelo desespero ou preocupadas apenas com a crise atual.” Após14 meses de efetuado o investimento, os participantes passam a ter o visto provisório, conquistando assim o direito de entrar, sair ou morar em qualquer cidade dos Estados Unidos. “E em mais dois anos conquistam o green card permanente”, afirma.

Criado em 1990, o EB-5 andou de lado durante muito tempo, mas foi turbinado pelo governo americano a partir da crise mundial, no final da década passada. Em 2014, 10 mil investidores estrangeiros participaram do programa, praticamente monopolizado pelos chineses, que representaram 90% do total. A expectativa é de que em 2015, o número de investidores brasileiros chegue a 200, um terço da cota fixada para o País. Até o fim do ano, é provável que o investimento inicial necessário aumente para US$ 800 mil. Mesmo assim, é inferior ao exigido por programas semelhantes de países como o Reino Unido, que cobra US$ 3 milhões, ou Austrália e Nova Zelândia (US$ 2 milhões).