Edição nº 1134 19.08 Ver ediçõs anteriores

Ação da Cielo perde o pé

As ações da processadora de pagamentos Cielo registraram uma das maiores quedas do pregão na terça-feira 14. No fim do dia, os papéis encerraram cotados praticamente na mínima, a R$ 37,90, uma baixa de 8,2% em relação ao fechamento da véspera.

O motivo da baixa foi uma decisão da Justiça Federal do Rio de Janeiro, movida pelo nadador César Cielo, que contestou o uso de seu sobrenome como marca da empresa.

Ao ser divulgada no início da tarde, a notícia provocou uma reação pesada no mercado, que passou a vender ações. Boa parte disso decorre do bom desempenho dos papéis. Empresa grande, rentável e boa pagadora de dividendos, a Cielo tem sido, nos últimos dois anos, uma das queridinhas do mercado.

Os fundos de ações setoriais a ela dedicados lideraram a rentabilidade nos últimos anos. As carteiras do BB e do Bradesco renderam, respectivamente, 35,8% e 35,7% nos 12 meses findos em 30 de setembro.

O nome Cielo substitui a antiga denominação Visanet. Nascida a partir da processadora de transações da Visa do Brasil, a empresa logo conquistou a liderança no mercado de processamento de transações.

A mudança de nome, desvinculando a processadora da marca Visa e optando por uma palavra compreensível em português e espanhol (cielo significa céu), atendia a uma estratégia de diversificação do mercado, em que as processadoras não estariam restritas a atender apenas uma das bandeiras de cartões, e a propostas de expansão para outros países da América Latina. Aproveitando a coincidência, a Cielo contratou o nadador para ser garoto propaganda em uma campanha de divulgação da nova marca.

Procurada, a empresa não se pronunciou e informou apenas que vai recorrer da decisão, proferida em primeira instância.


Mais posts

Por que a Lush vai fechar as portas no Brasil de novo

Quatro anos após ter reiniciado suas atividades no Brasil, a empresa britânica de cosméticos de luxo Lush está fechando as portas de [...]

Bradesco venderá previdência pelo celular

A Bradesco Vida e Previdência vai aproveitar uma mudança na regulamentação do mercado e, a partir do dia 29 de janeiro, começa a distribuir planos de previdência privada pelo celular. No dia 26 de janeiro entra em vigor uma resolução do Conselho Nacional dos Seguros, que dispensa as empresas de registrar os contratos por meio […]

Bradesco vende mais previdência usando a tradicional promoção

Isenção da taxa de carregamento em novos aportes elevou vendas de novembro em 38%

Gestor de fundos imobiliários questiona taxas cobradas pelo Credit Suisse

André Freitas, da Hedge Investments, solicita convocação de assembleia para reduzir taxas de 1,5% para 0,6%

Saída de Maria Silvia do BNDES já era esperada, diz analista

Já era esperado o pedido de demissão de Maria Sílvia Bastos Marques da presidência do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e [...]
Ver mais