Negócios

Blanver quer o Brasil acima de tudo

Crédito: Gabriel Reis

O laboratório paulista Blanver, do empresário Sérgio Frangioni, pretende aproveitar o forte ritmo de crescimento da companhia nos últimos meses para acelerar os planos de nacionalização das matérias-primas, as chamadas IFAs (Ingredientes Farmacêuticos Ativos). A empresa, que vai fechar o ano com receita de R$ 600 milhões, o dobro do resultado de 2021, vai investir R$ 300 milhões até 2027 para ampliar de 5% para 50% o índice de nacionalização desses insumos.

“É uma questão fundamental para a segurança e crescimento dos negócios”, afirmou Frangioni. “Temos enfrentado muita dificuldade na importação de IFA da China, da Índia e dos Estados Unidos. Não dá para depender das importações. Temos que nacionalizar e fazer do Brasil um protagonista da produção de IFA”, disse.

Para justificar o investimento e sustentar a expansão nas fábricas de Indaiatuba (SP) e Taboão da Serra (SP), a Blanver vai lançar 36 medicamentos até 2024, principalmente voltados ao tratamento de hepatites, HIV e câncer. “Junto do crescimento dos negócios no Brasil, vamos nos internacionalizar, entrando em mercados da América Latina e África”, afirmou Frangioni.

(Nota publicada na edição 1285 da Revista Dinheiro)