Edição nº 1150 09.12 Ver ediçõs anteriores

Black Friday: momento para vender mais e movimentar a economia do País

A segunda principal data do calendário varejista brasileiro está chegando e já é
adotada por outros segmentos e para reforçar o posicionamento de marcas.

Black Friday: momento para vender mais e movimentar a economia do País

A Black Friday se tornou uma data importante no calendário promocional do varejo e mudou os hábitos de compra e de consumo nos países em que foi implementada com sucesso.  Chegando ao Brasil, só em 2010, a importação da promoção soou oportunista. Muitas empresas aumentavam o preço na véspera, para depois dar descontos fictícios no dia. O consumidor não é bobo, logo percebeu e fugiu dessas lojas.  

Também foi comum o mercado consumidor responder melhor à promoção do que os próprios varejistas esperavam – e se preparavam – e a qualidade dos serviços cair drasticamente – estrutura dos websites, operação logística, por exemplo. Essas questões geraram certo descrédito em torno da data, inicialmente, mas que conseguiu ser revertido. 

Um dos principais impactos do Black Friday foi a antecipação de parte das compras do Natal. Ainda que alguns defendam que esse é um problema – ou seja, não gera novas vendas, só as antecipam – a realidade tem demonstrado que a data tem sim gerado valor para as empresas que aprenderam a se planejar para os dois períodos de pico de vendas, com estratégias complementares. Uma pesquisa recente reforçou que apenas 8% dos lojistas acreditam que as vendas de natal são prejudicadas pela Black Friday. 

1. Campanha Black Friday da Fundação Estudar

Não é só o varejista que se beneficia, mas a indústria de produtos e serviços em geral. Especialistas apontam que a Black Friday, no Brasil, em 2019, deve ultrapassar R$ 3 bilhões em faturamento só em compras on-line. E é importante considerar que os resultados, em geral com baixas margens, não podem ser avaliados apenas pela venda no período, mas sim pelo valor que os novos clientes (ou antigos reativados) geram de negócios ao longo de todo seu ciclo de relacionamento. 

Segundo Alberto Guerra, autor do recém lançado livro Black Friday no Brasil,  “agora, temos uma temporada de compras de final de ano estendida, como a Holiday Shopping Season americana”. Ele também explicou que a Black Friday se caracteriza por compras voltadas para si (70%), muitas delas indulgentes – aquela bolsa ou aquele smartphone tão desejados a um preço que cabe no bolso. Ou seja, a data promocional que cresce dois dígitos (ou mais), ano a ano, no Brasil, vai muito além dos presentes de natal.  

O brasileiro, cada vez mais, gosta e se planeja para a data.  O que, inicialmente estava muito voltado para bens duráveis e semiduráveis (eletrônicos e vestuário, por exemplo), tomou de assalto o mercado. Até organizações sem fim lucrativo já se alavancam na data para gerar mais receita como, a exemplo, a Fundação Estudar. Outras categorias inusitadas também aproveitam a data para gerar mais negócios, dentre elas o mercado financeiro (XP Investimentos), a indústria de entretenimento, com ingressos mais baratos para eventos (Ticket 360), farmácias (Drogasil), agências de viagens (CVC), para citar algumas.  

2. Campanha #optoutside da rede americana REI

Como para toda tendência há uma contra tendência, empresas varejistas com valores alinhados com a preservação do meio ambiente, também aproveitam a data para reforçar o seu posicionamento. É o caso da REI, uma empresa americana que vende roupas para esportes outdoor. Ela aproveita a data para mandar seus clientes (membros, já que atua no modelo de cooperativa) e colaboradores (mantendo seus salários) a entrarem em contato com a natureza. Surpreendentemente, fechando suas lojas e se mantendo fiel aos seus valores de marca, a iniciativa acabou por alavancar suas vendas nos demais dias do calendário. 

A Black Friday deste ano é 29 de novembro, mas as promoções já começaram e se estendem por semanas. Não se pode negar que a data gera mais consumo e, consequentemente, mais faturamento para todas as empresas envolvidas nessa cadeia de valor. Estende o movimento de final de ano, adiantando também a contratação de mão de obra temporária, típica deste período, gerando mais renda e mais consumo, movimentando mais a economia do país. É um círculo virtuoso, se as empresas se planejam adequadamente e se os clientes não consomem mais do que podem (ou devem). 

Enfim, se você está convencido de que a Black Friday é uma oportunidade para seu negócio, aproveite as dicas do especialista Alberto Guerra, para tirar o máximo de valor desta ação.

(*) Cecília Andreucci é conselheira de administração,
mercadologista e doutora em comunicação. 


Sobre o autor

Conselheira de administração, mercadologista, mestre em consumo e doutora em comunicação, Cecília Andreucci é especialista em estratégias corporativas e mercadológicas. Com mais de três décadas como executiva em empresas nacionais e multinacionais, em especial nos segmentos de consumo, varejo e consultoria. É professora universitária em programas de pós-graduação


Mais posts

Somos todos de tecnologia

Tecnologia é cultura e entender cultura é um trabalho fundamentalmente humano

Consumidor conectado, exigente e ansioso

Altamente digitalizado, pressionado por uma montanha de informações, consumidor desconfia das organizações e da propaganda

A marca de uma nação

Alterar a imagem de um país exige algo mais substancial do que o design gráfico, publicidade ou campanhas de relações públicas

Temos muito a aprender sobre marketing

Novas teorias entram em conflito com a sabedoria convencional da área

Conciliando consumo e valores pessoais

O consumidor está muito mais consciente, não apenas no sentido ambiental, mas também no social e identitário

Ver mais