Giro

BioNTech/Pfizer produzirão vacina anticovid na África do Sul a partir de 2022

BioNTech/Pfizer produzirão vacina anticovid na África do Sul a partir de 2022

Vacinação de pessoal de saúde contra a covid em 19 de maio de 2021 em uma casa de repouso perto de Klerksdorp, na África do Sul - AFP/Arquivos

As empresas farmacêuticas BioNTech e Pfizer anunciaram nesta quarta-feira (21) que o grupo Biovac realizará, a partir do início de 2022, uma fase da produção de sua vacina anticovid-19 na África do Sul, uma novidade no continente.

Os laboratórios “assinaram uma carta de intenções” com a Biovac que permitirá fornecer até 100 milhões de doses por ano aos países africanos.

A transferência de tecnologias e a instalação de máquinas necessárias para a embalagem, última fase da fabricação, começarão “imediatamente”, segundo um comunicado.

A vacina será transportada de fábricas europeias dos dois laboratórios, que conservam o controle da produção do RNA mensageiro, a etapa mais delicada e crucial. Depois, será embalada e distribuída “exclusivamente em 55 países-membros da União Africana”, informaram a alemã BioNTech e a americana Pfizer.



“Este é um passo essencial para reforçar o acesso duradouro às vacinas” e a colaboração “permitirá distribuir mais amplamente doses a pessoas em comunidades de difícil acesso, principalmente no continente africano”, comentou Morena Makhoana, presidente e diretora-geral da Biovac.

As desigualdades geográficas ainda são evidentes devido à pandemia. De um lado, estão as nações desenvolvidas que aplicaram grandes programas de vacinação; do outro, os países mais pobres, muito atrasados, já que apenas 1,6% das doses administradas no mundo foram aplicadas na África, que concentra 17% da população mundial, segundo dados coletados pela AFP.

A OMS estimou recentemente que apenas 2% dos africanos (16 milhões de pessoas) está completamente imunizado.

Antes da produção local, que chegará tarde demais para enfrentar o aumento atual de casos pela propagação da muito contagiosa variante Delta, a África depende principalmente do mecanismo Covax e de doações para conseguir vacinas.

A Biovac já produz para a Pfizer a vacina Prevenar 13, contra as infecções por pneumococos.

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Geisy reclama de censura em rede social: “O Instagram tá me perseguindo”
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Nicole Bahls já havia sido alertada sobre infidelidade do ex-marido
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago