Giro

Biden recebe o debilitado líder do Iraque em meio à hostilidade iraniana

Biden recebe o debilitado líder do Iraque em meio à hostilidade iraniana

O presidente dos Estados Unidos Joe Biden (e) e o primeiro-ministro iraquiano Mustafa al Kazimi - AFP/Arquivos

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, recebe nesta segunda-feira (26) o debilitado primeiro-ministro iraquiano, Mustafa al Kazimi, que está encurralado entre sua aliança com Washington e as facções pró-Irã de seu país.

O ponto principal da agenda será a presença de tropas americanas e, mais amplamente, se Bagdá tem capacidade suficiente para acabar com as células remanescentes do grupo extremista Estado Islâmico (EI)

Na semana passada, o EI reivindicou um ataque suicida em um mercado de Bagdá que deixou 30 mortos, segundo dados oficiais.

Entretanto, as forças americanas no Iraque foram alvo de ataques de milícias pró-Irã que receberam retaliação militar de Washington.



Cerca de 2.500 tropas dos EUA ainda permanecem no Iraque como parte da coalizão contra o EI. Entre elas estão forças especiais cuja quantidade não foi publicamente anunciada.

Kazimi, líder de um país que sofre altos índices de violência, pobreza e corrupção, quer que Estados Unidos se comprometam, ao menos formalmente, a reavaliar sua presença no Iraque.

A três meses das eleições legislativas, Kazimi espera recuperar territórios de seu país que estão nas mãos de facções pró-iranianas hostis à presença americana.

Tecnicamente, não há tropas de combate no Iraque, para onde o Exército americano enviou oficialmente apenas assessores ou instrutores.

O Iraque é um vínculo estratégico para Washington, que lidera uma coalizão internacional que combate o EI na Síria.

Deixar o Iraque à mercê da influência do Irã está fora de discussão para os Estados Unidos, devido às suas renovadas tensões com Teerã.

Neste contexto, “parece improvável que a quantidade de tropas americanas se reduza automaticamente”, disse uma fonte diplomática ocidental.

Ramzy Mardini, especialista em Iraque do Instituto Pearson da Universidade de Chicago, acredita que a reunião entre Biden e Kazimi foi marcada para ajudar o líder iraquiano a aliviar as pressões internas, “mas a realidade no terreno refletirá o status quo e uma presença permanente dos Estados Unidos”.

No entanto, o que os especialistas regionais mais temem é uma continuação, ou até mesmo uma intensificação, dos ataques dos pró-iranianos.

Na sexta-feira, um drone atacou uma base militar no Curdistão iraquiano, que abriga tropas americanas, mas não deixou vítimas.

O denominado Comitê de Coordenação da Resistência Iraquiana ameaçou, também na sexta-feira, continuar com os ataques até que todas as tropas americanas se retirem e a “ocupação” termine.

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Geisy reclama de censura em rede social: “O Instagram tá me perseguindo”
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Nicole Bahls já havia sido alertada sobre infidelidade do ex-marido
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago