Giro

Biden derruba proibição de Trump para que transexuais sirvam nas FFAA

Biden derruba proibição de Trump para que transexuais sirvam nas FFAA

O presidente dos EUA, Joe Biden, fala no State Dining Room da Casa Branca em Washington, DC, em 22 de janeiro de 2021 - AFP/Arquivos

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, anulou nesta segunda-feira (25) a proibição de seu antecessor Donald Trump para que transexuais sirvam nas forças armadas, uma decisão considerada discriminatória.

Na presença do Secretário de Defesa, Lloyd Austin, e do Presidente do Estado-Maior Conjunto, General Mark Milley, Biden assinou uma ordem executiva de que “todos os americanos qualificados para servir nas forças armadas dos Estados Unidos devem poder fazê-lo”, informou a Casa Branca.

“O presidente Biden acredita que a identidade de gênero não deve ser um obstáculo ao serviço militar e que a força da América está em sua diversidade”, acrescentou em um comunicado.

A Casa Branca indicou que “uma força inclusiva é uma força mais eficaz”. “Em suma, essa é a coisa certa a fazer e é do nosso interesse nacional”, disse ele



A medida reverte a polêmica decisão de Trump, de julho de 2017, de proibir os transexuais de servir “em qualquer cargo” nas forças armadas.

Como comandante-chefe, o presidente dos Estados Unidos tem enorme liberdade para definir as políticas do Pentágono.

No final de seu mandato, o ex-presidente democrata Barack Obama, do qual Biden foi vice-presidente por oito anos, ordenou que os militares começassem a receber recrutas transexuais em 1º de julho de 2017.

Seu sucessor republicano primeiro adiou o prazo para 1º de janeiro de 2018, depois decidiu cancelar a medida por completo. De acordo com Trump, a política da era Obama foi disruptiva, cara e corroeu a prontidão militar e a camaradagem entre as tropas.

Mas na ordem de Biden revogando a proibição de Trump, a Casa Branca citou um estudo de 2016 que descobriu que “permitir que os transgêneros servissem abertamente nas forças armadas dos Estados Unidos teria um impacto mínimo na prontidão militar e no custo com cuidados médicos”.

“Os membros do serviço que sejam transexuais não estarão mais sujeitos à possibilidade de serem demitidos ou separados por motivos de identidade de gênero”, anunciou o comunicado da Casa Branca.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel