Sustentabilidade

Biden assina decretos, inclusive de retorno dos EUA ao Acordo de Paris e à OMS

Biden assina decretos, inclusive de retorno dos EUA ao Acordo de Paris e à OMS

O presidente Joe Biden se prepara para assinar uma série de decretos no Salão Oval da Casa Branca em Washington, em 20 de janeiro de 2021 - AFP

O presidente americano, Joe Biden, assinou nesta quarta-feira (20) uma série de decretos, inclusive uma ordem para que o país volte a estar comprometido com o Acordo Climático de Paris e um documento para anular a decisão de deixar a Organização Mundial da Saúde (OMS).

“Vamos combater as mudanças climáticas de uma forma que não tínhamos tentado até agora”, disse Biden a jornalistas, após assinar os decretos que incluem medidas de proteção ambiental, mas também normas para combater a pandemia de covid-19.

O presidente indicou que suas ações contra a covid-19, que deixou mais de 400.000 mortos no país, “ajudarão a mudar o curso da crise”.

Entre as medidas está a obrigatoriedade do uso de máscaras em instalações federais, transporte interestadual e para funcionários do governo central.



Outra decisão adotada é a suspensão das obras do muro de fronteira com o México e iniciativas para ampliar a diversidade e a participação das minorias no governo federal.

Biden procura distanciar-se de seu antecessor Donald Trump e definir o rumo de seu governo com esta série de decretos assinados, poucas horas após assumir o cargo.

O retorno ao Acordo do Clima de Paris, que os Estados Unidos adotaram em 2016 durante a presidência de Barack Obama, quando Biden era vice-presidente, foi elogiado por outros líderes.

“Bem-vindo”, comemorou o Presidente da França, Emmanuel Macron.

O Secretário-Geral da ONU, Antonio Guterres, celebrou a decisão, mas pediu a adoção de um plano “ambicioso” contra o aquecimento global.

“Esperamos a liderança dos Estados Unidos na aceleração do esforço global em direção ao zero [em emissões de carbono], incluindo a apresentação de uma nova contribuição nacional com metas ambiciosas para 2030 e financiamento climático antes da COP26 em Glasgow no final deste ano”, acrescentou.

Os assessores de Biden anunciaram que ele aprovaria 17 decretos, mas a imprensa teve que deixar o gabinete antes que o presidente terminasse de assinar os documentos.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel