Giro

Biden anuncia sanções contra a elite russa para pressionar Putin

Crédito: Reprodução - GloboNews

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, anunciou na tarde desta quinta-feira (24) a maior sanção econômica já vista na história (Crédito: Reprodução - GloboNews)



O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, anunciou na tarde desta quinta-feira (24) a maior sanção econômica já vista na história. Serão sanções contra  bancos russos, que detêm mais de metade dos ativos bancários do país. “Todos os ativos que eles tiverem nos Estados Unidos serão congelados”, afirmou Biden ao dizer que deve chegar a algo perto de US$ 215 bilhões.

+ Primeiro-ministro britânico divulga sanções “severas” contra a Rússia

A elite da russa também fará parte da nova lista de sanções norte-americanas. “Essas sanções contra milionários russos começam nos próximos dias”, disse.

De acordo com ele, as ações dos EUA e dos seus parceiros afetarão mais da metade das exportações de capacidade tecnológica russa e vai reduzir a possibilidade de o país competir internacionalmente.




Ele afirmou ainda que a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) fará uma reunião de cúpula para confirmar a solidariedade e próximo passos para fortalecer seus aspectos. “Nossas forças não estarão e não estão envolvidas na Rússia, queremos proteger nossos aliados e mostrar que a Otan está mais unida e alinhada do que nunca”, garantiu.

Biden comentou ainda que ativou os planos de defesa para realizar medidas quando forem necessárias, mas disse que não vai entrar na Ucrânia. Só terá ação militar dos EUA se a Rússia invadir algum país da Otan.

O presidente norte-americano falou ainda sobre a questão do combustível. Disse que está coordenando com vários países produtores de petróleo para que reservas estratégicas possam ser utilizadas. Destacou que a América já está sofrendo com o preço dos combustíveis, mas que pode colocar suas reservar para tentar reduzir o impacto.


Biden não descartou um ataque cibernético contra os EUA, mas garantiu que vai responder aos ataques cibernéticos. “Os EUA irão ajudar na proteção do seu país, oferecendo alívio militar para aqueles que estão sofrendo.”