Economia

BID reduz para 1,1% previsão de crescimento para América Latina e Caribe

BID reduz para 1,1% previsão de crescimento para América Latina e Caribe

(Arquivo) Vista de Buenos Aires - AFP

O Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) reduziu a previsão de crescimento para a América Latina de 1,4% a 1,1%, informou o economista-chefe Eric Parrado, no âmbito da 60ª Assembleia Anual de Governadores do organismo, no Equador.

“Em março, tínhamos uma taxa de crescimento para a região de 1,4% e hoje em dia estamos falando de uma projeção para 2019 de 1,1%”, afirmou Parrado em coletiva de imprensa no porto de Guayaquil (sudoeste), sede do encontro do BID.

Parrado atribuiu a redução da expectativa que existe a um “crescimento menor” de países como Argentina, Brasil e México. Ele também explicou que as “tensões comerciais” entre Estados Unidos e China podem afetar as economias da América Latina e do Caribe.

Um “crescimento menor tanto nos Estados Unidos como na China pode ter impacto significativo de redução de crescimento” na região, afirmou Parrado.

O economista-chefe do BID considerou que América Latina e o Caribe ainda não têm resiliência para enfrentar golpes externos que afetam suas economias.

“Estamos com um crescimento moderado para a região, mas somam-se a isso os riscos de choques externos”, acrescentou.

Parrado recordou que a região enfrenta o desafio de atender aos migrantes venezuelanos que fogem da crise econômica em seu país. De acordo com a ONU, 4 milhões de pessoas emigraram da Venezuela desde 2015.

A migração venezuelana “representa um desafio significativo para os países que estão acolhendo esta imigração no curto prazo, porque representa um aumento do gasto fiscal”, afirmou.