Economia

Desmatamento: Berlim alerta para ceticismo europeu sobre Mercosul

Crédito: AFP

A ministra alemã da Agricultura, Julia Klöckner - AFP (Crédito: AFP)

Os ministros da Agricultura europeus estão “muito, muito céticos” sobre o futuro do vasto acordo comercial entre a União Europeia (UE) e os países sul-americanos do Mercosul, afirmou nesta terça-feira (1) a ministra alemã Julia Klöckner, que apontou para o desmatamento no Brasil.

Acordo Mercosul-UE avança mais lento que o esperado, afirma presidente uruguaio

Mourão: acordo Mercosul-UE ‘parece que começa a fazer água’

“Nós, os ministros da Agricultura (dos 27) somos muito, muito céticos sobre isso (a ratificação do acordo). E eu realmente posso falar por praticamente todos os ministros aqui presentes”, declarou Klöckner em Koblenz (oeste da Alemanha) antes da abertura de uma reunião informal dos ministros da Agricultura e da Pesca dos Estados membros da UE.

Esse vasto acordo de livre comércio foi assinado no ano passado entre a União Europeia e o Mercosul (Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai), mas para ser validado definitivamente, ainda deve ser ratificado por todos os parlamentos nacionais.

No entanto, os Parlamentos austríaco e holandês rejeitaram o acordo em sua forma atual. Outros países como Bélgica, França, Irlanda e Luxemburgo mostraram-se relutantes.

Por muito tempo entre os grandes promotores deste acordo, que abriria mercados para sua poderosa indústria exportadora, Berlim recentemente mudou sua postura.

“Vemos no Brasil que a floresta (amazônica) está sendo queimada para dar lugar a terras agrícolas o mais rápido possível” e cujas safras “são então vendidas em nossos mercados – onde nossos fazendeiros não conseguem competir (…) É uma distorção da concorrência”, insistiu Klöckner.

“Não vejo uma ratificação do acordo do Mercosul neste momento. Tenho razões muito específicas pelas quais sou extremamente cética”, insistiu a ministra alemã, cujo país ocupa a presidência rotativa da UE desde julho.

A chanceler alemã, Angela Merkel, expressou pela primeira vez em 21 de agosto “sérias dúvidas” sobre o acordo comercial, apontando para o “contínuo desmatamento” e “incêndios”, que aumentaram nas últimas semanas na Amazônia.

O acordo UE-Mercosul concentra os ataques de ambientalistas, que denunciam a maior abertura dos mercados europeus à carne sul-americana, enquanto a pecuária é responsável por 80% do desmatamento na Amazônia, segundo a organização WWF.

Para responder a essas críticas, um capítulo abordando a “conservação florestal” foi incluído no texto final.

O presidente francês, Emmanuel Macron, ameaçou não ratificar o acordo se o governo brasileiro de Jair Bolsonaro não tomar as medidas necessárias para proteger a maior floresta tropical do mundo.

No entanto, os incêndios na Amazônia aumentaram 28% em julho de 2020, em comparação com julho de 2019.

Veja também

+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial

+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”

+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?