Edição nº 1134 19.08 Ver ediçõs anteriores

Beatriz Almeida, uma mulher nos vinhos do Dão

Natural do Porto, a enóloga está à frente dos vinhos da Sogrape nesta região de Portugal

Beatriz Almeida, uma mulher nos vinhos do Dão

A enóloga Beatriz Braga Cabral Almeida. (Crédito Sogrape/Divulgação)

A Quinta dos Carvalhais é o projeto na região portuguesa do Dão da Sogrape, empresa que elabora vinhos em seis denominações de origem portuguesas e em uma região espanhola. Desde 2014, a vinícola é dirigida por uma mulher, a enóloga Beatriz Braga Cabral Almeida.

No desafio de elaborar vinhos elegantes e com complexidade – a marca registrada do Dão –, Beatriz diz que não vê grandes diferenças no trabalho entre homens e mulheres no mundo do vinho. “Mas há diferenças na maneira como cada um interpreta o ambiente que os rodeia, as suas ferramentas de trabalho e toda a diversidade inerente”, afirma ela. Beatriz assumiu a vinícola com a aposentadoria de Manuel Vieira, antigo enólogo da Carvalhais, com quem ela trabalhou por dois anos. Antes, ela era a responsável técnica pela enologia da Herdade do Peso, vinícola também da Sogrape, mas no Alentejo.

Natural do Porto, mãe de três filhos e próxima a dar à luz ao quarto filho, mesmo assim ela respira vinho o tempo todo. Ou como gosta de dizer: “Os tempos livres, ou melhor, os tempos longe do vinho, são muito poucos”, conta ela. A seguir, a conversa sobre vinhos e mulheres.

Na sua opinião, quais os desafios para uma mulher elaborar vinhos?
Acredito que não há desafios diferentes para mulheres ou homens na produção de vinhos. No caso concreto do Dão, o maior desafio, e que é transversal a homens e mulheres, passa por enfrentar as chuvas que por vezes surgem durante quase toda a vindima e reunir o máximo de esforços para fazer bons vinhos com essas condições.

O Dão é um terroir de vinhos mais elegantes. Você definiria o Dão como uma região de vinhos mais femininos? Sim, não? E por qual razão?
A região do Dão é fantástica e tem nos mostrado cada vez mais que no meio da paisagem agreste do granito, por entre eucaliptos, pinheiros e cedros, no centro de um grande planalto, nascem vinhos muito elegantes e delicados, frutados e florais, quase como que um perfume. Penso que esta é uma tendência de mercado em ascensão para determinadas gamas de vinhos. O consumidor, homem e mulher, procura cada vez mais atributos como a elegância e a subtileza nos vinhos do que outrora.

Na sua carreira de enóloga, você já sofreu algum preconceito por ser mulher? Se sim, como foi este preconceito?
Dentro do mundo dos vinhos as pessoas são muito respeitadas. Nunca sofri, nem percebi que alguma outra mulher enóloga tivesse sofrido algum tipo de preconceito. O consumidor acha muito curioso ver mulheres a trabalhar num setor que muitas vezes e durante muitos anos foi associado só a homens.

Na sua opinião, há diferenças na maneira em que homens e mulheres elaboram vinhos?
Como em todas as áreas, o conhecimento e experiência são a chave. Não diria que há diferenças na maneira como homens e mulheres fazem vinho, mas sim como cada um interpreta o ambiente que o rodeia, as suas ferramentas de trabalho: a região, as castas, as vinhas, o estilo de vinho da sua marca (ou marcas), e toda a diversidade inerente. Tudo em prol da produção de vinhos de qualidade e do prazer a proporcionar ao consumidor

Qual o conselho que você daria para uma mulher que pensa em estudar enologia?
O mundo do vinho é maravilhoso. Não há dois dias iguais, por isso a monotonia não se instala! É preciso estar muito atento aos pormenores, pois os grandes vinhos fazem-se de atenção e detalhes! Trabalhe, prove e estude todos os dias, sempre pensando que o objetivo final de um vinho é dar prazer ao seu consumidor final.

As mulheres e o vinho

Durante todo o mês de março posto aqui as mais diversas histórias de mulheres no mundo do vinho. Em 2018 foram 23 textos de personalidades e épocas diferentes e em 2019 continuo a tradição. Adorei pesquisar e conhecer mais sobre estas pessoas e seus desafios. Confira, a seguir, quais foram estas mulheres.

2019

2018

– Dona Antónia Ferreira, a querida dona Ferreirinha, que tanto fez pela região do Douro e, por que não, por Portugal

– Barbe-Nicole Clicquot, mais conhecida como a Veuve Clicquot

– Jancis Robinson, a inglesa mais influente do mundo do vinho com o seu www.jancisrobinson.com

– Laura Catena, a argentina que investe nas pesquisas para conhecer e elaborar vinhos de qualidade, na vinícola Catena Zapata

– Lalou Bize-Leroy, a polêmica e competentíssima produtora da Borgonha

– Serena Sutcliffe e os leilões de vinho

– Maria Luz Marín, a chilena pioneira no vale de San Antonio, no Chile.

– Mônica Rossetti, brasileira que atualmente trabalha na Itália. Ela tem papel primordial na história da vinícola gaúcha Lidio Carraro

– Natasha Bozs, uma das primeiras enólogas negras da África do Sul, da Nederburg

– Elena Walch, a arquiteta que virou enóloga e hoje tem sua própria vinícola no Alto Adige

– Véronique Drouhin-Boss, a francesa da quarta geração da domaine Drouhi

– As associações de mulheres e vinhos já existem em 10 regiões francesas

– Lorenza Sebasti, proprietária da vinícola italiana Castello di Ama

– Fabiana Bracco, da Bracco Bosca, que tanto faz pelo vinho uruguaio que pode ser considerada a embaixadora do país

– A portuguesa Filipa Pato, dos vinhos da Bairrada

– Lis Cereja, a brasileira que mais e melhor levanta a bandeira do vinho natural no Brasil

– Féminalise, um concurso de vinhos francês que só tem juradas

– Albiera Antinori, a primeira mulher a dirigir a tradicional vinícola italiana

– Susana Balbo, a pioneira nos vinhos argentinos

– Cecília Torres, a primeira mulher nos vinhos chilenos com o Casa Real

– Ludivine Griveau, que dirige os vinhos do Hospice de Beaune, na Borgonha

– A dupla de amigas e enólogas portuguesas Sandra Tavares e Susana Esteban

– Patricia Atkinson, e a sua aventura de elaborar vinhos franceses


Mais posts

Feira Naturebas reúne vinhos orgânicos, biodinâmicos e naturais em SP

A feira de vinhos orgânicos, biodinâmicos e naturais traz a sustentabilidade emtodas as suas etapas. Evento inicia neste fim de semana [...]

Por que o vinho entrou na pauta econômica?

Além das discussões sobre a substituição tributária, a bebida é tema do acordo bilateral entre Mercosul e União Europeia

Um vinho brasileiro natural em Nova York

Luiz Henrique Zanini apresenta o seu vinho “laranja” Era dos Ventos Peverella

Uma semana para provar vinhos

A Pró-Vinho promove a primeira edição da Semana do Vinho, quando haverá diversas promoções da bebida em todo o Brasil

A importância crescente do enoturismo

A francesa Alice Tourbier, do Les Sources de Caudalie, é o principal destaque do Invino Wine Travel Summit, que acontece nesta [...]
Ver mais