Negócios

BCE deve evitar se comprometer a longo prazo em dezembro, diz Lagarde

BCE deve evitar se comprometer a longo prazo em dezembro, diz Lagarde

Christine Lagarde, presidente do BCE

Por Balazs Koranyi e Francesco Canepa



FRANKFURT (Reuters) – O Banco Central Europeu pode adotar uma postura de política monetária por um período de tempo relativamente curto na reunião deste mês dadas as incertezas, mas não pode adiar uma decisão, já que os mercados precisam de direção, disse a presidente do BCE, Christine Lagarde, à Reuters nesta sexta-feira.

Autoridades conservadoras pediram ao BCE que evite se comprometer a longo prazo no encontro de 16 de dezembro dadas recentes leituras altas de inflação e o ressurgimento da pandemia de coronavírus, incluindo a variante Ômicron.

Alguns até mesmo discutiram a possibilidade de adiar uma decisão para o início de 2022, esperando que um adiamento traga mais clareza sobre o crescimento e a inflação –uma opção que Lagarde firmemente descartou nesta sexta-feira.

“Existem maneiras de dar clareza sem se comprometer a longo prazo, e eu erraria pelo lado de não fazer um compromisso de longo prazo porque existe incerteza demais”, disse Lagarde em entrevista à conferência Reuters Next.

+ O economista Paulo Gala revela os caminhos para investir bem em 2022



“Mas, igualmente, precisamos indicar muito claramente que estamos prontos (para agir), em ambas as direções.”

Uma vez que as condições para uma alta de juros forem atendidas, disse ela, o BCE “não hesitará em agir”.

Lagarde minimizou as preocupações sobre a variante Ômicron, argumentando que a Europa se adaptou bem à vida com a pandemia.

“Devemos estar alertas, mas acho que também devemos ter confiança com o fato de que aprendemos a viver com variantes anteriores”, disse ela. “Outra onda, como estamos vivendo na zona do euro…é algo que incluímos em cenário adverso (de nossas projeções)”.

A reunião de dezembro será a mais crucial deste ano. O banco central da zona do euro já disse que vai encerrar seu esquema de estímulo emergencial de 1,85 trilhão de euros em março e “recalibrar” outras ferramentas para compensar o fim das medidas de apoio da pandemia.

Lagarde não discutiu opções para a reunião, mas disse que continua com a visão de que o Programa de Compras Emergenciais da Pandemia, principal ferramenta do BCE nos últimos dois anos, deve acabar, e que os juros não devem subir no próximo ano.

Para acompanhar Reuters  Next: https://reutersevents.com/events/next/

(Reportagem de Balazs Koranyi e Francesco Canepa)

tagreuters.com2021binary_LYNXMPEHB20GC-BASEIMAGE


Saiba mais
+ SP: Homem morre em pé, encostado em carro, e cena assusta moradores no litoral
+ Um gêmeo se tornou vegano, o outro comeu carne. Confira o resultado
+ Reencarnação na história: uma crença antiquíssima
+ Andressa Urach pede dinheiro na internet: ‘Me ajudem a pagar a fatura do meu cartão’
+ Horóscopo: confira a previsão de hoje para seu signo
+ CNH: veja o que você precisa saber para a solicitação e renovação
+ Veja quais foram os carros mais roubados em SP em 2021
+ Expedição identifica lula gigante responsável por naufrágio de navio em 2011
+ Tudo o que você precisa saber antes de comprar uma panela elétrica
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ O que se sabe sobre a flurona?
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ IPVA 2022 SP: veja como consultar e pagar o imposto