Economia

BC: posição cambial líquida atinge US$ 312,299 bilhões


A posição cambial líquida do Banco Central atingiu US$ 312,299 bilhões no dia 3 de abril, conforme dados divulgados nesta quarta-feira, 8, pelo Banco Central. No fim de dezembro de 2019, essa posição estava em US$ 327,801 bilhões e, em março deste ano, em US$ 314,548 bilhões. A posição traduz o que está disponível para que o BC faça frente a alguma necessidade de moeda estrangeira – como fornecer liquidez ao mercado em momentos de crise como a atual, por exemplo.

A posição leva em conta as reservas internacionais, o estoque de operações de linha do BC (venda de dólares com compromisso de recompra), a posição da instituição em swap cambial e os Direitos Especiais de Saque (DES) do Brasil no Fundo Monetário Internacional (FMI).

Bancos

Os bancos fecharam março com posição vendida no câmbio à vista de US$ 33,511 bilhões. No fim de fevereiro, essa posição estava vendida em US$ 38,912 bilhões.

As instituições financeiras atuam como contrapartes em operações cambiais. Assim, quando há remessas de moeda estrangeira ao exterior, elas fornecem dólares a empresas e fundos, por exemplo, para envio. Neste caso, a “posição vendida” das instituições tende a aumentar.

Em movimento contrário, quando há entrada de recursos no Brasil, as instituições financeiras recebem os dólares, o que reduz a “posição vendida” ou eleva a “posição comprada”.

A posição dos bancos no mercado à vista também é alterada sempre que o BC realiza leilões de dólares. Assim, quando o BC vende moeda aos bancos, a posição vendida à vista tende a diminuir. Este fator influenciou o resultado de março, já que, em meio à crise provocada pela covid-19, o BC realizou diversas operações de venda de dólares no mês passado.