Negócios

BC do Japão eleve projeções para inflação mas descarta aperto monetário

BC do Japão eleve projeções para inflação mas descarta aperto monetário

Fachada da sede do Banco do Japão em Tóquio

Por Leika Kihara e Tetsushi Kajimoto

TÓQUIO (Reuters) – O banco central do Japão elevou suas estimativas de inflação nesta terça-feira mas disse que não tem pressa para mudar a política monetária ultrafrouxa, no momento em que o aumento dos preços alimenta especulações de que pode em breve sinalizar mudança em seu estímulo.



O presidente do Banco do Japão, Haruhiko Kuroda, reconheceu que as pressões de preços estão aumentando, mas disse que o banco central não tem a intenção de elevar os juros com a estimativa de que a inflação permaneça abaixo de sua meta de 2% por anos.

“Não estamos debatendo um aumento dos juros”, disse Kuroda em entrevista à imprensa. “A projeção mediana dos membros da diretoria é de que a inflação fique em torno de 1%. Sob essas condições, não estamos absolutamente pensando em aumentar os juros ou em modificar nossa política monetária frouxa.”

Como esperado, o Banco do Japão manteve a meta para os juros de curto prazo em -0,1% e a promessa de guiar as taxas de longo prazo em torno de 0% na reunião encerrada nesta terça-feira.

+ Confira 10 receitas para reaproveitar ou turbinar o arroz do dia a dia


O Japão não tem sido imune ao impacto da inflação global de commodities, com os preços no atacado subindo a um ritmo recorde e levando mais empresas a aumentar os preços, mudando a percepção pública de que a deflação vai persistir.

Em relatório trimestral, o banco central revisou para cima sua projeção de inflação para o ano que começa em abril a 1,1%, de estimativa anterior de 0,9%. Também elevou a perspectiva para o ano fiscal de 2023 a 1,1%, de 1,0%.


“Os riscos aos preços estão em geral equilibrados”, disse o banco no relatório. Em outubro a avaliação era de que os riscos seriam de baixa.

Analistas acreditam que o Banco do Japão ficará entre os últimos a reduzir o estímulo conforme a inflação continua baixa em comparação com muitas outras economias.

(Reportagem adicional de Kantaro Komiya e Daniel Leussink)

tagreuters.com2022binary_LYNXMPEI0H0BX-BASEIMAGE