Economia

BB aprova R$ 2,3 bi para tecnologia e confirma investimento em startups

Crédito: Pexels

O BB explica, em relatório, que a era digital aumentou a exigência do consumidor e, portanto, os investimentos em tecnologia e o foco na transformação digital se mostram fundamentais (Crédito: Pexels)

O Banco do Brasil anunciou que vai investir mais R$ 2,3 bilhões em tecnologia nos próximos três anos. Em paralelo à divulgação de resultados do segundo trimestre, também confirmou o lançamento de um plano para aportar recursos em novatas da tecnologia, conforme antecipou na quarta-feira, 5, a Coluna do Broadcast.

O BB explica, em relatório, que a era digital aumentou a exigência do consumidor e, portanto, os investimentos em tecnologia e o foco na transformação digital se mostram fundamentais. O aporte adicional de R$ 2,3 bilhões para tecnologia e analytics, conforme o banco, visa a “oferecer aos clientes novas experiências com opções mais práticas, seguras e rápidas no mundo digital”.

+ Uma fábrica de startups
+ Trinta startups vão para a fase final de edital da Petrobras e Sebrae
+ Startup de incubadora da Ambev lança atacado próprio com entrega em até 24h 

Nesta quinta, o banco também lança seu Programa de Investimento em Startups. Conforme antecipou na quarta a Coluna do Broadcast, o orçamento previsto é de R$ 200 milhões, com aporte inicial de R$ 100 milhões. De acordo com o BB, a iniciativa tem como objetivo não só melhorar a experiência dos clientes bem como mira ganhos em eficiência operacional.

“O plano nasce em consonância com as melhores práticas de mercado e de governança, com aporte inicial de R$ 100 milhões”, confirma o BB, em nota à imprensa.

A instituição explica que, além de potencializar parcerias, o programa de startups traz benefícios como intercâmbio cultural com as novatas, permite identificar e antecipar tendências e acelera o desenvolvimento de novas soluções.

O banco tem interesse em startups que tenham sinergia com o seu negócio como aquelas focadas nos setores financeiro, seguros e de agronegócios. Em troca, vislumbra parcerias com elas. A meta da instituição era ter uma série de investimentos ainda em 2020, mas a pandemia atropelou os planos.

Para viabilizar o investimento, o BB já teria selecionado fundos que compram participação em empresas iniciantes, conhecidos como venture capital, e gestores privados. Além disso, gastou um tempo com a definição e aprovação de regras duras de governança corporativa nos vários escalões do banco. Uma das premissas é a de que a instituição não terá controle de nenhum negócio investido.

Veja também

+ Sandero deixa VW Polo GTS para trás em comparativo
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial
+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”
+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?