Giro

Barbalho: é prematuro estabelecer data de vacinação antes de aval da Anvisa

Após a reunião nesta terça-feira, 8, entre o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e gestores estaduais, o governador do Pará, Helder Barbalho (MDB), afirmou ser prematuro estabelecer a data de vacinação com um imunizante que precisa ter seu registro aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Na segunda-feira, 7, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), apresentou um Plano Estadual de Imunização com a Coronavac, produzida pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantã, com início programado para 25 de janeiro.

Mais de uma vez, o mandatário paraense relatou ter havido o alinhamento no encontro de que a Pasta do governo federal deve liderar o processo de compra de vacinas para promover o Plano Nacional de Imunização. Ele também informou ter havido a sinalização de Pazuello de que o plano logístico do ministério para a vacinação em todo o País será apresentado amanhã, às 12h.

Segundo Barbalho, os governadores não fazem distinção entre as vacinas dos diferentes desenvolvedores, dizendo que todas podem ser adquiridas, e nem há por parte dos gestores estaduais intenção de ignorar a Anvisa, que pede prazo de até 60 dias para analisar o protocolo de registro de qualquer imunizante. Até agora, nenhum produtor deu entrada nesse processo junto ao órgão brasileiro.

O emedebista pontuou que resta agora aos Estados aguardar que as vacinas estejam licenciadas pela agência reguladora.

Ao mesmo tempo, Barbalho aludiu à lei aprovada pelo Congresso que permite a Estados pedirem à Anvisa que analise, no prazo de 72 horas, autorização para a importação de medicamentos relacionados à pandemia, inclusive vacinas, que já tenham sido aprovados por autoridades sanitárias dos Estados Unidos, da União Europeia, da China e do Japão.

O caso específico da Pfizer foi lembrado pelo governador do Pará, apontando para a possibilidade de Administração de Alimentos e Drogas (FDA, na sigla em inglês) dos EUA habilitar a vacina da farmacêutica americana, o que se enquadraria na lei com prazo expresso para a Anvisa.

Ele disse, também, que os governadores devem trabalhar para que todas as vacinas disponíveis sejam adquiridas pelo governo federal, inclusive a Coronavac, sobre a qual paira a rusga política entre Doria e o presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

“Precisamos ter a compreensão de que todos os brasileiros têm direito à vacinação”, defendeu Barbalho. “Não se pode ter uma disputa entre brasileiros.”

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel