Negócios

Bank of America eleva Brasil para ‘overweight’ em portfólio da América Latina

Bank of America eleva Brasil para ‘overweight’ em portfólio da América Latina

Logo do Bank of America fotografado em Nova York, EUA

(Reuters) – Estrategistas do Bank of America elevaram para “overweight” a exposição a ações brasileiras em seu portfólio para América Latina, de acordo com relatório nesta sexta-feira, com rebaixou o Chile para “underweight”.

“Tendo em vista as melhores perspectivas de crescimento e ruído político em outros países da região, estamos movendo o Brasil para overweight (de marketweight)”, afirmaram David Beker e equipe.

“A maior volatilidade nos mercados globais e o sentimento de euforia continuam sendo os principais riscos”, ponderaram.

Eles afirmaram que o seu foco é a reabertura no Brasil por meio de nomes de alta qualidade. “Gostamos do varejo tradicional, distribuição de combustível, construção e pagamentos.”

O BofA acrescentou Natura&Co novamente em seu portfólio da América Latina (já estava no portfólio Brasil), bem como aumentou a exposição a grandes bancos já na carteira – Itaú Unibanco, Bradesco e também Banco do Brasil no portfólio Brasil.

Eles apostam na recuperação macro, dinâmica de lucros, valuation barato e desempenho inferior desde o início da pandemia. “Embora as histórias de reabertura e ações dos bancos tenham se recuperado amplamente no mês passado, elas continuam atrasadas desde o início da pandemia.”

A equipe do banco norte-americano também disse que continua mais cautelosa em setores de maior risco, como serviços, companhias aéreas e shopping centers. Por fim, adicionou Energisa, buscando exposição à recuperação econômica do Brasil, enquanto BRF saiu após a alta recente.

Também afirmaram que continuam gostando de investimentos relacionadas à inflação conforme o mundo se reabre (commodities, Hypera, Carrefour).

Beker e equipe afirmaram manter a alocação em Vale citando o valuations, e que estão expostos ao petróleo por meio da Ecopetrol, bem como adicionaram Petrobras no Brasil à medida que o ruído político diminui. Também continuam com Grupo México, pois gostam da exposição aos preços do cobre.

Eles removeram a exposição à celulose devido à falta de catalisadores de curto prazo (excluindo Klabin no Brasil e a CMPC no Chile.

Na região, o corte do Chile a “underweight” (ante “overweight”) ocorre após os resultados das eleições constitucionais e locais naquele país. México manteve a recomendação “overweight”, assim como Colômbia continuou com marketweight.

(Por Paula Arend Laier)

tagreuters.com2021binary_LYNXNPEH5A175-BASEIMAGE

Veja também
+ Casamento de Ana Maria Braga chega ao fim após marido maltratar funcionários, diz colunista
+ Conheça a eficácia de cada vacina no combate à Covid-19
+ Veja fotos de Karoline Lima, novo affair de Neymar
+ Lázaro Barbosa consegue fugir de novo da polícia após tiroteio
+ Gracyanne Barbosa dança pole dance com novo visual
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Após processar nora, mãe de Medina a acusa de ter destruído sua casa; veja fotos
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Fondue de chocolate com frutas fácil de fazer
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago


Tópicos

Updated