Finanças

Bancos garantem terceira semana seguida de ganhos ao Ibovespa

Crédito: Reprodução YouTube/B3

Do fechamento de sexta-feira passada até esta sexta (23), o salto foi de 3% - nesse intervalo foram quatro altas consecutivas e um baixa (Crédito: Reprodução YouTube/B3)

Embalado pela expectativa com os resultados trimestrais, cuja safra se amplia na próxima semana, o Ibovespa teve a terceira semana consecutiva de ganhos. Do fechamento de sexta-feira passada até esta sexta, 23, o salto foi de 3% – nesse intervalo foram quatro altas consecutivas e um baixa, a dessa sessão, atribuída por operadores à realização de ganhos. A Bolsa chegou ao fim do pregão desta sexta-feira aos 101.259,75 pontos (-0,65%).

O impasse em torno do pacote trilionário de ajuda nos Estados Unidos e o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15) acima das projeções do mercado contribuem para o cenário de recuo diário, mas não tira o otimismo com a próxima semana.

+ Bolsas de NY fecham sem direção única com falta de resolução para impasse fiscal
+ Bolsas da Europa fecham em alta, com balanços e dados da região no radar

O setor bancário, em especial, teve forte avanço semanal, derivando da expectativa de resultados firmes para o segmento. Com as provisões em queda, é esperado que os grandes bancos tenham lucro de R$ 16 bilhões no terceiro trimestre, um aumento de 20% ante os três meses anteriores, como mostrou o Prévias Broadcast. Desse grupo, são divulgados os resultados de Santander (terça-feira) e Bradesco (quarta-feira).

Na semana, os papéis ON de Bradesco saltaram 9,32% e PN de Itaú Unibanco avançaram 10,08%. Na sessão, por sua vez, em meio à realização de lucro, o primeiro cedeu 0,20% e o segundo, 1,28%.

“É uma correção natural, ainda acho que os bancos estão descontados”, destacou Rafael Ribeiro, analista de ações da Clear Corretora. “Se os resultados vierem bons, ou um pouquinho acima do esperado, podemos ver mais altas. Mas não sei se eles conseguirão sozinhos levar o índice acima dos 105 mil pontos. Precisa de um a mais.”

De acordo com Ribeiro, o “a mais” seria uma sinalização firme do governo na questão fiscal, o que deve ficar para depois das eleições municipais. Isso porque, do lado monetário, o espaço para redução de juros, se havia, foi fechado após o forte resultado do IPCA-15 nesta sexta.

O índice acelerou a 0,94% na margem e marcou o maior nível para outubro desde 1995 (leia mais no cenário de Juros). Para o analista, isso deve colocar pressão no discurso do Comitê de Política Monetária (Copom) da semana que vem. “Existe sim a expectativa de o juro subir no curto prazo. Assim, o mercado fica sem esse ‘upside’ na mesa. Só vai destravar então com agenda pró-reformas”, afirmou.

Veja também

+ Sandero deixa VW Polo GTS para trás em comparativo
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial
+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”
+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?