Economia

Bancos devem perder 8% da receita com taxas com o Pix, diz agência de risco

Crédito: Arquivo/Agência Brasil

A receita com tarifas dos quatro maiores bancos do país com ações em Bolsa de Valores ficou em R$ 35 bilhões no ano passado (Crédito: Arquivo/Agência Brasil)

A entrada em vigor do Pix, novo sistema de pagamentos instantâneos do BC (Banco Central), deve levar à redução da receita dos bancos. A avaliação é da agência de classificação de risco Moody’s.

A estimativa da agência é que as instituições financeiras tenham queda de 8% na sua receita de taxas devido à isenção da taxa de transferência de recursos, com base om base nos dados de 12 meses até junho de 2020.

+ 11 dicas de como tirar proveito do Pix na Black Friday
+ Pix: entenda o passo a passo de como o sistema funciona

Hoje as instituições cobram um valor fixo pelo serviço de transferência entre bancos e Pix não prevê essa cobrança para pessoas físicas.

Segundo informações do UOL, a receita com tarifas dos quatro maiores bancos do País com ações em Bolsa de Valores ficou em R$ 35 bilhões no ano passado.

A publicação afirma ainda que a Moody’s pondera que vários bancos já desenvolveram tecnologias de pagamento instantâneo, mas contam com os participantes como seus clientes e cobram taxas de cerca de 1% sobre essas transferências.

Por fim, a agência Moody’s destaca que o novo sistema surge em um momento em que taxas de juros baixas no Brasil e os riscos relacionados à pandemia estão pressionando as margens de lucro dos bancos.

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel