Negócios

Banco Safra faz doações de R$ 7 milhões para entidades e hospitais públicos

Crédito: Divulgação

Cade: a operação consiste na venda de determinada carteira de cartões de crédito detida pelo Itaú Unibanco ao Banco Safra (Crédito: Divulgação)

O Banco Safra anuncia a terceira fase do seu projeto de doações para auxiliar no combate a pandemia da Covid-19. Somando R$ 7 milhões, o aporte será direcionado para hospitais públicos e filantrópicos e a entidades que atendem populações carentes.

Desse montante, o banco está doando R$ 2,5 milhões à Santa Casa de Misericórdia de São Paulo para a reforma de dois andares da entidade. No total, o projeto custa R$ 4 milhões. O restante do valor, R$ 1,5 milhão, será doado pela Rede D’Or, Qualicorp e Sulamerica. Os recursos serão destinados a obras de instalações e compra de equipamentos médicos e medicamentos.

+ Doações do Banco Safra para hospitais atingem R$ 30 milhões
+ Banco Safra corta projeção para PIB por efeito coronavírus

Além dessa iniciativa, o Safra prevê três doações de R$ 1 milhão cada para ações específicas. São elas: a compra de cestas básicas para a entidade Comunitas e o Fundo Social de Solidariedade do Estado de São Paulo; e uma parceria com o Dr. Consulta para viabilizar parte do projeto que prevê 163 mil atendimentos gratuitos para que a população possa cuidar de outras doenças durante esse período. A instituição financeira fará ainda uma nova doação para o Grupo de Apoio ao Adolescente e à Criança com Câncer (Graacc).

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel