Giro

Balanço de confrontos na capital da Índia sobe para 33 mortos

Balanço de confrontos na capital da Índia sobe para 33 mortos

Carro e lojas queimaram durante os confrontos mortais entre nacionalistas hindus e muçulmanos, em uma imagem tirada em uma rua de Nova Délhi - AFP


Trinta e três pessoas morreram em Nova Délhi nos confrontos entre nacionalistas hindus e muçulmanos que explodiram no domingo na capital da Índia, de acordo com um balanço atualizado divulgado por fontes médicas.

O principal hospital da área dos confrontos registrou 30 mortos”, anunciou o diretor Sunil Kumar.

“Todos foram feridos por tiros”, disse Kumar.

Outro hospital da capital informou que registrou três óbitos relacionados aos confrontos.

Na quarta-feira à noite foram observados incidentes isolados de menor intensidade que não deixaram vítimas, informaram fontes das forças de segurança.

Homens armados com pedras, facas e armas de fogo provocam o caos desde domingo nas áreas periféricas de maioria muçulmana ao nordeste da capital indiana, a uma dezena de quilômetros do centro da cidade.

No domingo, os grupos armados hindus atacaram locais e pessoas identificadas como muçulmanas, informou a imprensa indiana.

De acordo com testemunhas, os agressores gritavam “Jai Shri Ram” (“Viva o Deus Rama”).

Os confrontos são motivados pela polêmica lei de cidadania, que muitas pessoas consideram discriminatória em relação aos muçulmanos.

A nova lei facilita a concessão da cidadania aos refugiados, desde que não sejam muçulmanos.

O primeiro-ministro indiano Narendra Modi, um nacionalista hindu, pediu na quarta-feira aos moradores do território de Délhi “paz e fraternidade”.

Estes são os piores confrontos em décadas em Nova Délhi. O governador da capital do país havia solicitado ao governo central que decretasse um toque de recolher e a mobilização do exército.