Negócios

Balança tem superávit de US$ 2,126 bilhões na 2ª semana de abril

A balança comercial brasileira registrou superávit comercial de US$ 2,126 bilhões na segunda semana de abril. De acordo com dados divulgados nesta segunda-feira, 12, pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério da Economia, o valor foi alcançado com exportações de US$ 6,593 bilhões e importações de US$ 4,467 bilhões.

Em abril, a balança comercial acumula saldo superavitário em US$ 3,485 bilhões, com exportações em US$ 8,674 bilhões e importações de US$ 4,467 bilhões. No acumulado do ano, o saldo comercial é superavitário em US$ 11,393 bilhões.

Exportações

As exportações subiram 64,3% nas duas primeiras semanas de abril, na comparação com todo o mês de abril de 2020. Houve crescimento de US$ 151,66 milhões (53,2%) em Agropecuária, principalmente pelos embarques de soja, que subiram 54,4% no período; alta de US$ 161,38 milhões (86,5%) em Indústria Extrativa, por causa das vendas de minério de ferro; e crescimento de US$ 248,99 milhões (61,4%) em produtos da Indústria de Transformação, com destaque para açúcar e produtos de ferro e aço.

Importações

Já as importações registraram aumento de 51,3%% no período. Houve queda de US$ -2,09 milhões (-11,1%) em Agropecuária; crescimento de US$ 0,16 milhões (0,5%) em Indústria Extrativa e expansão de US$ 294,54 milhões (57,7%) em produtos da Indústria de Transformação, principalmente combustíveis.

+ Jaguar Land Rover: a luta contra a falta de confiança dos consumidores

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel