Negócios

Azul oferecerá ‘seguro covid’ grátis em viagens para EUA e Europa

Crédito: Divulgação/Azul

'Seguro covid' da Azul terá validade de 31 dias, a partir da data de embarque (Crédito: Divulgação/Azul)

A Azul oferecerá assistência financeira gratuita aos passageiros receberem diagnóstico positivo para o coronavírus durante viagens. O “seguro covid-19” estará disponível para brasileiros que tenham comprado passagens para destinos na Europa e nos Estados Unidos como destino no período até o próximo dia 31 de janeiro.

O benefício terá validade de 31 dias, a partir da data de embarque, e ficará disponível apenas enquanto o passageiro estiver fora. Para usufruir do seguro covid, as passagens devem ter sido compradas dentro do período estabelecido – de ontem até o fim de janeiro. Estrangeiros que vierem ao Brasil, nestas datas, também poderão contar com a cobertura do seguro.

+ Azul conclui ‘bookbuilding’ e emitirá debêntures conversíveis em ações
+ Emirates tem primeiro prejuízo semestral em 30 anos

O serviço é oferecido em parceria com a Assist Card. Cobre assistência médica de até US$ 150 mil, reembolso com despesas de hospedagem ou alimentação para extensão de viagem de até US$ 3 mil e cobertura para a realização de testes de até US$ 1 mil (desde que com orientação médica). “Fechamos essa parceria. A ideia é dar mais uma segurança para os nossos clientes voarem”, disse o gerente de produtos e serviços da Azul, Henrique Barone.



Em caso de suspeita de contaminação pelo coronavírus, o cliente deve entrar em contato com a Assist Card, companhia especializada em seguros viagem, para obter as informações sobre como proceder no país em questão.

Restrições a brasileiros

Com o avanço da segunda onda da pandemia nos Estados Unidos e na Europa, muitos países retomaram as restrições de entrada de visitantes em seus territórios. Os EUA são uma das nações fechadas para brasileiros atualmente.

Segundo as restrições do país, a entrada está vedada a passageiros que transitaram nos últimos 14 dias por Brasil, China, Irã e determinadas nações da Europa. Apenas residentes, pessoas com cidadania americana e parentes próximos de moradores do país podem transitar.

O Brasil também não faz parte da lista de países cujos cidadãos podem viajar à União Europeia. A regra vale para todos os 27 países-membros do bloco econômico. Mas há exceções, como as de brasileiros que tenham dupla nacionalidade europeia ou que sejam residentes legais nesses países podem viajar à Europa.

Barone explicou que o benefício é para ajudar justamente esses clientes que precisam voar para os destinos cobertos pela companhia – ele negou que a ideia do serviço seja ganhar mercado. “Mesmo com todas as barreiras, temos muitos brasileiros e estrangeiros voando e sabemos que, quanto mais garantias, melhor.”

Em outubro e novembro do ano passado, a Azul operava cerca de 900 voos diários para 116 destinos, entre brasileiros e internacionais (os principais destinos são Nova York, Miami e Lisboa). Agora, a companhia chega a 93 locais, com pouco mais de 500 viagens por dia.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Veja também
+ Como podcasts podem ajudar na educação financeira do brasileiro
+ Mistério: mulher descobre que não é a mãe biológica de seus próprios filhos
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Veja quanto custa comer nos restaurantes dos jurados do MasterChef
+ Leilão de carros e motos tem desde Kombi a Nissan Frontier 0km