Ciência

Audiências de extradição de diretora da Huawei são retomadas no Canadá

Audiências de extradição de diretora da Huawei são retomadas no Canadá

A diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, deixa sua casa para ir à Suprema Corte da Colúmbia Britânica, em Vancouver, Canadá, em 4 de agosto de 2021 - AFP

As últimas audiências no processo de extradição de uma diretora da gigante chinesa Huawei começaram nesta quarta-feira (4) em Vancouver, quase três anos após sua prisão em solo canadense a pedido dos Estados Unidos.

Meng Wanzhou, de 49 anos, filha do fundador da gigante das telecomunicações, Ren Zhengfei, foi presa em 1º de dezembro de 2018 no aeroporto de Vancouver a pedido de Washington, que quer julgá-la por fraude bancária.

Meng apareceu sorrindo de manhã ao deixar sua casa em Vancouver, onde vive sob vigilância, antes de ir para a Suprema Corte da Columbia Britânica, onde serão realizadas as audiências.

Nesse primeiro dia, a defesa de Meng levantou mais uma vez a hipótese de que os Estados Unidos tentaram realizar um processo “abusivo” contra sua cliente.



“Este caso é baseado em desinformação e omissão seletiva de fatos. A prisão da Sra. Meng foi uma aula magistral de como violar os direitos de uma pessoa”, declarou à AFP Alykhan Velshi, vice-presidente de assuntos corporativos da Huawei Canadá, que descreveu o processo como “perseguição política”.

“O advogado da Sra. Meng demonstrará que os Estados Unidos não produziram uma acusação crível para justificar sua extradição”, afirmou a Huawei Canadá. Portanto, sua prisão “deve ser rejeitada e seu retorno ao seu país permitido”, enfatizou a gigante chinesa nesta quarta-feira.

A acusação considera que as provas apresentadas pela defesa não são da competência da Justiça canadense.

As audiências estão previstas para terminar em 20 de agosto, mas uma decisão não é esperada por alguns meses. Em caso de recurso, o processo pode levar anos.

A prisão da diretora financeira, seguida dias depois por dois canadenses acusados de espionagem na China, causou uma grave crise diplomática entre Pequim e Ottawa.

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Geisy reclama de censura em rede social: “O Instagram tá me perseguindo”
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Nicole Bahls já havia sido alertada sobre infidelidade do ex-marido
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago