Economia

Atividade privada na Eurozona tem queda ‘sem precedentes’ em abril

Crédito: AFP/Arquivos

Imagem de um mercado de pescado em Bueu, Pontevedra, Espanha, em 2 de abril de 2020 (Crédito: AFP/Arquivos)

A atividade do setor privado na zona do euro registrou uma queda “sem precedentes” em abril devido às limitações decretadas para conter a disseminação do novo coronavírus, informou nesta quinta-feira (23) a empresa de consultoria Markit.

“Uma deterioração sem precedentes na economia da zona do euro foi observada em abril em razão das medidas de confinamento”, combinadas “com uma queda crescente na demanda global e escassez de pessoal e suprimentos”, de acordo com Chris Williamson, economista-chefe da consultora.

+ Renault tem queda de 25,9% nas vendas do 1° trimestre e cancela dividendo de 2019
+ OMS alerta que batalha será longa e UE realiza cúpula sobre a recessão

Após um “recorde de baixa” em março, em 29,7 pontos, seu índice PMI, compilado a partir de dados de 5.000 empresas nos setores de manufatura e serviços, caiu para 13,5 pontos em abril, o menor da série histórica iniciada em 1998.

Um índice acima de 50 reflete uma progressão da atividade nos 19 países da zona do euro, enquanto um número mais baixo indica um declínio.

Durante a crise financeira global, o mínimo foi de 36,2 em fevereiro de 2009, explica Markit.

Segundo comunicado da Markit, a situação, mais acentuada no setor de serviços do que no manufatureiro, pode se traduzir em uma contração trimestral de 7,5% do PIB na economia da zona do euro como um todo.

“O segundo trimestre deve registrar a desaceleração mais violenta que a região já sofreu nos últimos anos”, diz Williamson, para quem o fim das medidas de contenção atenuará o hiato, mas estima que o processo será “lento”.

Para Jack Allen-Reynolds, analista da Capital Economics, os índices de confiança de abril “sugerem que a atividade econômica está praticamente paralisada” e prevê que “a produção permanecerá muito fraca por muitos meses”.

“Ninguém espera uma rápida retomada da atividade, mas uma certa recuperação em relação às baixas de abril faria sentido, pois algumas empresas estão autorizadas a reabrir com cautela”, aponta Bert Colijn, economista da ING.

Para o Fundo Monetário Internacional (FMI), o PIB da zona do euro contrairá 7,5% em 2020 e crescerá novamente 4,7% em 2021.

As principais economias registrarão quedas de 7% na Alemanha, 7, 2% na França, 9,1% na Itália e 8% na Espanha.

Veja também

+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?