Giro

Ataque hacker interrompe aula de Lewandowski com ‘Carreta Furacão’ e nazismo

Crédito: Divulgação - STF

A invasão inseriu vídeos do grupo e referências nazistas nos comentários dos participantes, como citações de Adolf Hitler e o símbolo da suástica (Crédito: Divulgação - STF)

Um ataque hacker interrompeu aula por videoconferência realizada pelo ministro Ricardo Lewandowski na Faculdade de Direito da USP nesta segunda, 30. A invasão inseriu vídeos do grupo ‘Carreta Furacão’ durante a chamada e referências nazistas nos comentários dos participantes, como citações de Adolf Hitler e o símbolo da suástica.

O ataque ocorreu quando o ministro começaria uma palestra chamada ‘Releitura dos clássicos de teoria geral do Estado’. Quando a aula se tornou inviável, os participantes deixaram a sala virtual e aguardaram a coordenação enviar um novo link para a retomada da palestra. A paralisação durou cerca de dez minutos.

+ MPF pediu informações sobre envolvimento de autoridades com foro no ataque hacker
+ Brasil vira alvo de ataques hackers

Procurado, o gabinete de Lewandowski afirmou que se tratou de um ataque a uma aula da USP e, por isso, a universidade deveria ser procurada. A reportagem entrou em contato com a assessoria de imprensa da Faculdade de Direito da USP e aguarda resposta.



A invasão da aula de Lewandowski não é caso isolado, segundo apurou o Estadão. Na última terça, um webinário sobre ‘Acesso à Justiça e Racismo Estrutural’ sofreu o mesmo tipo de ataque quando participantes que obtiveram o link do encontro inseriram vídeos pornográficos e outras referências ao nazismo durante o encontro. Fontes relataram que casos semelhantes se tornaram frequentes nas últimas semanas.

O ataque se soma às invasões recentes aos sistemas dos principais tribunais de Justiça do País. Na sexta, 27, invasores atacaram o Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) e alegaram ter obtido acesso a arquivos em mais de 40 bases de dados do tribunal, que concentra processos 13 Estados e do Distrito Federal. No início do mês, um ataque do tipo paralisou o Superior Tribunal de Justiça por seis dias, travando cerca de 12 mil processos pelo caminho.

Durante o primeiro turno, um hacker português afirma ter realizado ações contra o Tribunal Superior Eleitoral. ‘Zambrius’, como é conhecido, foi preso neste sábado, 28, pela Polícia Judiciária portuguesa na operação Exploit, deflagrada em parceria com a Polícia Federal, que mirou três brasileiros suspeitos de auxiliar no ataque. Segundo as investigações, o hacker tentou invadir o TSE em ao menos duas ocasiões – no dia 15 de novembro, no primeiro turno, e no último dia 19.

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Veja quanto custa comer nos restaurantes dos jurados do MasterChef
+ Leilão de carros e motos tem desde Kombi a Nissan Frontier 0km