Giro

Ataque extremista deixa quase 40 mortos em Burkina Faso

Ataque extremista deixa quase 40 mortos em Burkina Faso

Patrulha de soldados burquineses na província de Soum (Burkina Faso), em 14 de novembro de 2019 - AFP/Arquivos

O ataque jihadista do sábado em Silgadji, um povoado do norte de Burkina Faso onde homem foram separados das mulheres e executados, deixou pelo menos 39 mortos – anunciou o governo em um comunicado.

“As operações de rastreamento na zona das Forças de Defesa e de Segurança (FDS) permitiram determinar a morte de 39 dos nossos concidadão neste ataque covarde e bárbaro”, indicou o ministro de Comunicação e porta-voz do governo, Remis Fulgance Dandjinou, em um comunicado.

No domingo, os habitantes de Silgadji que fugiam do massacre chegaram a Bourzanga (norte).

“Segundo os habitantes [de Silgadji], os terroristas cercaram a população no mercado popular e os separaram em dois grupos. Os homens foram executados e ordenaram as mulheres que deixassem o povoado”, disse um morador de Bourzanga por telefone à AFP.

Desde 2015, cerca de 800 pessoas morreram em ataques extremistas em Burkina Faso, um país na fronteira com Mali e Níger.

Segundo a ONU, os ataques jihadistas em Mali, no Níger e em Burkina Faso deixaram 4.000 mortos em 2019 e provocaram uma crise humanitária sem precedentes. Entre deslocados e refugiados, são cerca de 600 mil pessoas fugindo da violência.