Giro

AstraZeneca inicia teste de medicamentos com anticorpos contra covid-19

A empresa farmacêutica do Reino Unido AstraZeneca começou a testar um coquetel feito com anticorpos para prevenção e tratamento da covid-19 em mais um esforço na produção de soluções médicas contra a doença.

A empresa, cuja candidata a vacina contra o novo coronavírus é uma das seis na última fase de desenvolvimento, afirmou que o estudo vai avaliar se o AZD7442, uma combinação de dois anticorpos monoclonais, é seguro e tolerável com a aplicação em até 48 participantes saudáveis de 18 a 55 anos.

Se esse teste em estágio inicial, realizado no Reino Unido, apresentar resultados positivos, a AstraZeneca declarou que vai iniciar os estudos maiores do coquetel tanto para prevenção da covid-19, como para tratamento da doença.

O desenvolvimento de anticorpos monoclonais contra o vírus está sendo realizado por outras farmacêuticas, como Regeneron, Eli Lilly, Roche e Molecular Partner. Na segunda-feira, 24, o diretor-geral assistente da Organização Mundial da Saúde (OMS), Bruce Aylward, disse que o tratamento é promissor e, se comprovada eficácia e segurança, pode ser utilizado como substituto de uma possível vacina para grupos em que o imunizante não for apropriado.

Esses anticorpos produzidos em laboratório imitam as células de defesa naturais do corpo, para lutar contra infecções. Atualmente, é usado para tratar doenças crônicas, como alguns tipo de câncer.

O diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos Estados Unidos, Anthony Fauci, definiu esse tipo de medicamento como “quase uma aposta certa” contra o novo coronavírus. Em junho, a AstraZeneca recebeu financiamento de US$ 23,7 milhões (R$ 155 milhões) do governo norte-americano para avançar no desenvolvimento de tratamentos com anticorpos contra a covid-19.

“Esta combinação de anticorpos, junto com nossa tecnologia de extensão de meia-vida, tem o potencial de melhorar a eficácia e a durabilidade do medicamento, além de reduzir a probabilidade de resistência viral”, disse o vice-presidente executivo de produtos biofarmacêuticos da farmacêutica britânica, Mene Pangalos.

O diretor-geral assistente da OMS afirmou que a junção de vacinas e tratamentos alternativos efetivos e seguros contra a doença pode funcionar como “uma bala de prata” no combate à pandemia.

Trump

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou em coletiva de imprensa no domingo, 23, que a Food and Drug Administration (FDA, agência reguladora de alimentos e medicamentos, na sigla em inglês) autorizou em caráter emergencial o uso de plasma convalescente no tratamento de pacientes diagnosticados com covid-19, mesmo sem confirmação da eficácia da técnica. (Com agências internacionais).

Veja também

+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial

+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”

+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?