Edição nº 1130 19.07 Ver ediçõs anteriores

Aston Martin recria carro de James Bond

Aston Martin recria carro de James Bond

A montadora britânica Aston Martin, em parceria com a EON Productions, que produz os filmes de James Bond, vai recriar o modelo Goldfinger DB5. O veículo foi usado pela primeira vez no terceiro filme da franquia, 007 contra Goldfinger, de 1964, com o ator americano Sean Connery como Bond. Para conseguir reproduzir o carro, o projeto será assinado por Chris Corbould, supervisor de efeitos especiais. O modelo apareceu em mais seis filmes: Chantagem atômica (1965), GoldenEye (1995), O amanhã nunca morre (1997), Casino Royale (2006), Skyfall (2012) e Spectre (2015). Serão 25 veículos com a pintura original Silver Birch. Ele chega ao mercado em 2020 por £ 2,75 milhões, cerca de R$ 14,4 milhões.

(Nota publicada na Edição 1084 da Revista Dinheiro)


Mais posts

Porto sobre trilhos

Imagine viajar em um trem usado pela corte portuguesa no século 19 e que recebeu passageiros ilustres como a rainha Elizabeth II e o [...]

Cruzeiro submarino

A Seabourn, linha de cruzeiros de luxo, vai levar seus passageiros às profundezas do oceano com o U-Boat Worx Cruise, submarino feito [...]

Malas prontas para o espaço

Em comemoração à missão Apollo 11, que completa 50 anos este mês, a Horizn Studios fez uma edição especial de malas com sistema [...]

Mansão Shermann à venda

A propriedade de Sherman Mills Fairchild (1896-1971), empresário e investidor americano que fundou mais de 70 empresas e foi o [...]

Três veículos de Elvis Presley vão a leilão

Três veículos que pertenceram a Elvis Presley (1935- 1977) serão leiloados no dia 31 de agosto pela Kruse GWS Auctions. Um deles é a [...]
Ver mais

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.