Edição nº 1088 21.09 Ver ediçõs anteriores

Aston Martin recria carro de James Bond

Aston Martin recria carro de James Bond

A montadora britânica Aston Martin, em parceria com a EON Productions, que produz os filmes de James Bond, vai recriar o modelo Goldfinger DB5. O veículo foi usado pela primeira vez no terceiro filme da franquia, 007 contra Goldfinger, de 1964, com o ator americano Sean Connery como Bond. Para conseguir reproduzir o carro, o projeto será assinado por Chris Corbould, supervisor de efeitos especiais. O modelo apareceu em mais seis filmes: Chantagem atômica (1965), GoldenEye (1995), O amanhã nunca morre (1997), Casino Royale (2006), Skyfall (2012) e Spectre (2015). Serão 25 veículos com a pintura original Silver Birch. Ele chega ao mercado em 2020 por £ 2,75 milhões, cerca de R$ 14,4 milhões.

(Nota publicada na Edição 1084 da Revista Dinheiro)


Mais posts

A voz do camaleão do rock

O cantor e compositor inglês David Bowie (1947-2016) foi um dos músicos mais influentes da história do rock, especialmente por sua [...]

Lamborghini do mar

A brasileira Intermarine lançou o Intermarine 58 offshore. Com capacidade para transportar 14 pessoas, a lancha tem 57,75 pés de [...]

O sabor do café personalizado

A Gaggenau, fabricante alemã de eletrodomésticos, trouxe para o Brasil a Home-Barista, uma máquina de café que monitora automaticamente [...]

Design inteligente

A Apple se juntou à grife francesa Hermès para produzir o novo Apple Watch Series 4. O smartwatch vem com uma pulseira de couro [...]

Joias históricas

A joalheria italiana Bulgari está expondo suas peças históricas, como um colar usado pela atriz Elizabeth Taylor (1932-2011). A peça [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.