Estilo

Aspen está de mudança

Sob o comando do brasileiro Alinio Azevedo, a Aspen Skiing Company (Ski Co), empresa que opera hotéis de luxo nas montanhas do Colorado, expande sua atuação para destinos de lazer bem longe da neve

Aspen está de mudança

Vista para as montanhas The Little Nell, destino de políticos e celebridades

Até abril, as montanhas geladas de Aspen, no estado americano de Colorado, fervem com o turismo. São quase 1,5 milhão de visitantes por ano. Entre eles, políticos (o clã Trump é assíduo) e celebridades como Elton John, Mariah Carey, as Kardashian e as atrizes Melanie Griffith e Dakota Johnson. Uma das responsáveis pelo sucesso é a Aspen Skiing Company (Ski Co), companhia que opera duas redes de hotéis nas montanhas: The Little Nell e o recém-inaugurado Limelight. A empresa também administra as areas de ski Aspen Mountain, Aspen Highlands, Buttermilk e Snowmass. A Ski Co pertence a Lester Crown, empresário americano que figura desde 1982 na lista Forbes 400, com fortuna estimada em mais de US$ 2,8 bilhões. Crown possui também participação na rede de hotéis Hilton, Rockefeller Center, JP Morgan e até nos times Chicago Bulls e New York Yankees.

Luxo na neve: o The Little Nell (foto acima e ao alto) é o hotel mais luxuoso em destino de neve

Agora, o empresário pretende levar as redes The Little Nell e Limelight para outros destinos e o responsável pela mudança é o brasileiro Alinio Azevedo, diretor de operações da Ski Co. A escolha se deve à experiência de Alínio, que trabalhou durante nove anos na expansão da rede Four Seasons nas Américas, mas também tem motivo mercadológico: Aspen é um dos destinos que mais atraem brasileiros. Cerca de 40% dos turistas estrangeiros que chegam à estação de ski são do Brasil e da Austrália. Segundo Alinio, nos últimos dois anos esse número cresceu 28%, elevando para 12,5% o total da participação dos brasileiros no faturamento da empresa. Já passaram por lá o empresário Roberto Justus, o casal de apresentadores Angélica e Luciano Huck e, mais recentemente, Eliana. Não por acaso, a Ski Co escolheu o Brasil para anunciar a abertura do Limelight, inaugurado em dezembro do ano passado na montanha de Snowmass.

O grupo investiu US$ 80 milhões na construção do novo hotel e US$ 600 milhões na reestruturação da área, que ganhou lojas e restaurantes. O hotel tem 99 acomodações com o tamanho médio de 50 m², acesso direto à pista de ski, parede de escalada, piscina e um bar no terraço. A Ski Co também construiu um condomínio com imóveis para venda. São 11 apartamentos que dispõe de todos os serviços oferecidos pelo hotel. Futuramente, a companhia planeja a construção de casas de luxo na região.
Agora o plano de Alinio Azevedo e do CEO Mike Kaplan (veja quadro) é fincar a bandeira da rede em outros destinos, não necessariamente com neve. Eles querem inaugurar 10 hotéis nos próximos cinco anos. “Estamos de olhos em destinos como Flórida, Hawai e algumas cidades históricas da Carolina do Sul”, diz Alinio. “A rede Limelight já está em estágio avançado para se estabelecer em um destino de praia na Flórida.”

Alinio Azevedo: Diretor de Operações da Ski Co já tem planos de levar os hotéis para as praias da Flórida

Mas enquanto o Limelight ganha capilaridade com mais facilidade, o The Little Nell caminha com timidez. “Por ser um hotel de luxo a expansão se torna mais cara e os destinos são mais restritos”, diz Alinio. “Mas temos planos para levar a rede aos Alpes.” O The Little Nell é o hotel mais exclusivo em destino de neve dos Estados Unidos. Ele fica no topo da Aspen Mountain e tem acesso direto para a pista de ski, além de uma piscina em meio às montanhas geladas. A cantora Britney Spears, a atriz Kate Hudson e a socialite Paris Hilton são hóspedes frequentes.


Quando o ativismo vira marketing

Apesar da presença assídua da família de Donald Trump, como seu filho Donald Trump Junior, o CEO Mike Kaplan não se intimida e mantém um contundente atuação como ativista político, social e ambiental. Em dezembro de 2016, ele escreveu o artigo “We’re Still Here” (Nós ainda estamos aqui), publicado no The Wall Street Journal, no qual chamava a atenção do governo Trump para as políticas de inclusão de imigrantes e direitos da comunidade LGBTQ+. Ele também atribui o declínio de turistas mexicanos na região à hostilidade de Trump com o país vizinho. Mike Kaplan, no entanto, acredita que o ativismo é parte do negócio. Suas opiniões, afinal, não afastaram os figurões políticos do local, Donald Trump Junior, o vice-presidente Mike Pence, o secretário do Tesouro Steve Mnuchin, e Gary Cohn, ex-conselheiro econômico de Trump, continuam frequentando Aspen.

“Muitos dos líderes políticos e empresariais vêm aqui passar algum tempo “, diz ele. “Então é necessário alavancar nossas ideias junto a eles”. O CEO também é o responsável por banir os lenços Kleenex , produto da Kimberly-Clark Company, da Ski Co, alegando que a empresa não obedece requisitos ambientais na produção. “Tomar posição diz ao cliente que, ao passar um tempo em Aspen, ele está escolhendo uma comunidade que compartilha sua paixão pela sustentabilidade”, diz Kaplan. “Isso dá credibilidade à Aspen Skiing Company.”