Edição nº 1126 20.06 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

João Vítor Xavier, deputado estadual de Minas Gerais

“As punições precisam chegar ao alto escalão da Vale”

“As punições precisam chegar ao alto escalão da Vale”

Autor de um Projeto de Lei que pretende endurecer as regras da mineração, o deputado João Vítor Xavier bate forte na Vale, protocola pedido para uma CPI do setor e denuncia os riscos de novas tragédias como as de Mariana e de Brumadinho

Klester Cavalcanti
Edição 08/02/2019 - nº 1107

Em julho do ano passado, na Assembleia Legislativa de Minas Gerais, o deputado estadual João Vítor Xavier (PSDB-MG) fez uma dura profecia: “Se não mudarmos a legislação que regulamenta a atividade das mineradoras, outras tragédias, como a de Mariana, vão acontecer”. Pouco mais de 6 meses depois – em 25 de janeiro -, as palavras de Xavier se confirmaram. “Infelizmente, eu estava certo”, diz ele. Naquela ocasião, o deputado tentava aprovar um Projeto de Lei (PL) – estruturado com o Ministério Público Estadual (MPE) de Minas Gerais, Ibama e 52 ONGs – que endureceria as leis que regulamentam a atividade das mineradoras. “Após a tragédia de Mariana (em novembro de 2015), ficou evidente que era preciso mudar a legislação do setor de mineração, principalmente em Minas Gerais, que tem centenas de barragens”, afirma.

O PL, no entanto, não foi aprovado. Dos quatro deputados da Comissão de Minas e Energia que votaram sobre o assunto, apenas Xavier foi a favor. Coincidência ou não, os outros três – Gil Pereira (PP), Tadeu Martins (MDB) e Thiago Cota (MDB) – receberam, eles próprios ou seus partidos, financiamento de mineradoras, inclusive da Vale, na campanha de 2014. Mineiro de Belo Horizonte, Xavier cresceu no município de Caeté, a 40 km da capital, região de forte presença de mineradoras. “Eu vi a transformação danosa que a mineração causa ao meio ambiente”, conta. Aos 36 anos, jornalista, casado e pai de dois filhos, ele fala, a seguir, sobre a catástrofe de Brumadinho, o setor da mineração no Brasil, os erros da Vale e as dificuldades de aprovar leis que não interessam ás grandes empresas.

DINHEIRO – Qual o primeiro pensamento que o senhor teve quando soube do rompimento da barragem de Brumadinho?

XAVIER – Pensei, imediatamente, em toda a tragédia que vivemos em Mariana, apenas 3 anos antes, e no Projeto de Lei (PL) que montamos com o apoio do Ministério Público do Estado, do Ibama e de mais de 52 ONGs ambientais e que tentamos aprovar na Assembleia Legislativa de Minas Gerais, mas que não passou. Pensei em todo o trabalho que fizemos para montar um PL sólido, consistente, para mudar a forma de atuar das mineradoras e que poderia ter evitado essa catástrofe de Brumadinho.

“Ele (Fábio Schvartsman) tem de responder por Brumadinho. Se é o presidente para receber altos salários, tem de ser responsabilizado pelos erros”Há especulações do mercado de que Fábio Schvartsman, presidente da Vale, receba anualmente cerca de R$ 50 milhões, entre salários e bônus

DINHEIRO – O que esse Projeto de Lei pretendia mudar e como poderia ter evitado o rompimento da barragem de Brumadinho?

XAVIER – A ideia central do PL era, principalmente, endurecer as leis que regem o setor da mineração em Minas. A legislação atual permite, por exemplo, que as mineradoras utilizem o modelo chamado a montante, no qual o rejeito do minério de ferro – ou seja, o lixo do minério – é depositado na barragem, em estado líquido. Esse modelo é muito mais barato do que o modelo a seco, mas também muito menos seguro, mais danoso ao meio ambiente e mais suscetível a acidentes. É por isso que as mineradoras preferem esse tipo de barragem, por priorizarem o lucro, e não a segurança. Era exatamente esse modelo utilizado pela Vale tanto em Mariana quanto em Brumadinho. Nosso PL prevê a proibição do uso de barragens a montante. Além disso, o projeto também propunha prazos e normas mais rigorosos para licenciamento de barragens, caução como garantia para recuperação ambiental em casos de acidentes, proibia a construção de estruturas próximas a áreas de rios e comunidades. Um outro ponto do PL é que ele proibiria a mineradora de continuar trabalhando no rejeito das barragens a montante. É aí que entra o ponto no qual a aprovação do nosso PL poderia ter evitado a tragédia de Brumadinho.

DINHEIRO – Como assim?

XAVIER – Há informações, vindas de moradores da região, de que a Vale estaria mexendo no rejeito da barragem, para utilizar o restante do minério que fica no rejeito, que é uma atividade muito comum nesse tipo de operação. Pelas novas regras colocadas no nosso projeto, esse trabalho de reutilização do rejeito seria proibido. Se a causa do rompimento foi esse suposto uso por parte da Vale do rejeito da barragem de Brumadinho, o PL não teria permitido esse trabalho e, consequentemente, toda essa desgraça nao teria acontecido e as vidas de 300 pessoas teriam sido poupadas. Ano passado, não conseguimos aprovar esse PL. Mas, agora, depois dessa desgraça ocorrida em Brumadinho, vamos recolocar o projeto para votação. Acredito que será aprovado. A sociedade não vai perdoar um deputado que votar contra um trabalho que visa, entre outras coisas, evitar outras tragédias como as de Mariana e de Brumadinho.

DINHEIRO – Na sua avaliação, qual o maior erro da Vale nesse episódio?

XAVIER – O problema da Vale não é apenas em relação a esse episódio. É um problema bem mais complexo, conceitual. Por ser uma das maiores e mais poderosas empresas do mundo, a Vale tem um seríssimo problema: a arrogância. A empresa e seus diretores se acham maiores e melhores do que todo mundo. A Vale não dialoga com ninguém. Num intervalo de pouco mais de 3 anos, essa empresa foi responsável por dois dos maiores desastres ambientais e humanos da história do nosso País. Em Mariana, foram 19 mortos e uma das maiores tragédias ambientais de todos os tempos no planeta. Em Brumadinho, vimos outra desgraça ao meio ambiente e a morte de cerca de 300 pessoas (hoje, oficialmente são 150 mortos e cerca de 180 desaparecidos). Ainda assim, a Vale continua com sua arrogância, na sua postura de superioridade. Se a empresa não mudar suas práticas de compliance e seu modelo de governança, outras tragédias vão acontecer. O Brasil não pode correr esse risco.

DINHEIRO – A Justiça determinou o bloqueio de cerca de R$ 12 bilhões da Vale. O senhor considera essa uma pena suficiente à empresa?

XAVIER– De forma alguma. A Vale não precisa apenas reparar os danos causados às famílias e ao meio ambiente, mas também tem de responder criminalmente por esse crime. Acredito que a empresa deveria, a partir de agora, ser obrigada judicialmente a modificar suas técnicas de exploração mineral. Não só a Vale, mas todas as mineradoras que atual no Brasil. Não adiante apenas mitigar o estrago social e ambiental que foi feito, no caso de Brumadinho. Afinal, não existe solução para uma tragédia que causa a morte de mais de 300 pessoas. Mas penso que as autoridades do nosso País devem obrigar as mineradoras a mudar suas práticas de atuação. As práticas empregadas hoje têm de ser consideradas ilegais. Caso contrário, novas tragédias vão continuar acontecendo. E teremos outras Marianas e outros Brumadinhos.

“A CPI da Mineração não será apenas sobre Brumadinho. Será sobre todo o setor. Não podemos correr o risco de termos outra tragédia na mineração”Em Brumadinho, já foram encontrados mais de 150 corpos. As estimativas são de que o número de mortos seja de mais de 300

DINHEIRO – Após o rompimento de Brumadinho, a Vale divulgou que já tinha um plano de descomissionamento das suas barragens a montante. Segundo a empresa, esse plano é de 2016 e será colocado em prática agora.

XAVIER – Isso reforça o que temos falado, de que a Vale sabe o que precisa ser feito, sabe que o modelo que vem utilizando é insustentável. Todos os estudos apontam para isso. E a Vale insiste no modelo ultrapassado, porque prefere postergar seu plano de modernização. Em nome do lucro máximo, a companhia escolheu continuar flertando com esse tipo de tragédia. Mesmo depois de toda a desgraça que vimos em Mariana. Isso só aumenta a responsabilidade da Vale e de seus diretores em relação a tudo isso. A empresa tem tecnologia e dinheiro para fazer essa mudança. Já poderia ter feito isso em todas as suas operações no Brasil. Mas prefere economizar nos seus processos de modernização e de segurança, para aumentar o lucro, os prêmios aos seus executivos e a distribuição de dividendos aos seus acionistas. Precisamos dar um basta a esse esquema nocivo. Não dá mais para esperar que essa mudança parta das empresas. Isso precisa de uma ação firme do Legislativo, do Executivo e do Judiciário. Precisamos unir forças para mudar essa terrível realidade.

DINHEIRO – Na sua opinião, o presidente da Vale (Fábio Schvartsman) deve ser afastado do cargo, como já tem sido aventado no Governo Federal e dentro da própria empresa?

XAVIER – É bom lembrar que estamos falando do presidente de uma das maiores companhias do mundo. Um dos executivos mais bem remunerados do planeta (há estimativas de que Schvartsman receba cerca de R$ 50 milhões por ano, entre salários e bônus). Certamente, ele tem de responder pelo que aconteceu em Brumadinho. Se ele é o presidente na hora de colher os bônus da posição que ocupa, como altos salários, prêmios e privilégios, ele também precisa ser responsabilizado quando surge o problema. É importantíssimo que se apure a responsabilidade direta dele nessa tragédia. E acho muito difícil, após uma catástrofe tão grande, depois de uma sucessão de erros tão enorme, que o presidente da Vale tenha força e credibilidade para recolocar a empresa no rumo certo. Uma mudança de rota na Vale é fundamental para a empresa sair do lamaçal em que se meteu. E nenhuma empresa muda de rota sem mudar o comandante.

DINHEIRO – Uma pesquisa realizada pelo Instituto Paraná e divulgada esta semana apontou que 65,7% dos brasileiros são a favor de que a Vale perca sua licença de mineração no País e que 52,6% das pessoas defendem a prisão de todos os executivos da empresa. Além disso, quase 25% dos entrevistados querem o afastamento dos diretores da Vale de suas funções. Em que fatias dessa pesquisa o senhor se encaixa?

XAVIER – Não acho que a empresa deva perder sua licença de mineração no Brasil. Isso causaria enormes prejuízos econômicos às cidades nas quais a Vale opera, gerando desemprego e uma crise pesada. Mas engrosso a lista dos quase 25% que querem o afastamento de toda a direção da companhia, inclusive do seu presidente. Sobre as prisões dos responsáveis por esse crime que o mundo todo testemunhou em Brumadinho, sou a favor de que todos, sem exceção, sejam investigados e devidamente punidos.

DINHEIRO – Esta semana, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) revogou a detenção dos dois engenheiros da empresa alemã Tüv Süd e dos três funcionários da Vale que estavam presos, sob suspeita de terem fraudado o laudo que atestou, em setembro do ano passado, a segurança da barragem de Brumadinho. O que o senhor achou dessa decisão do STJ?

XAVIER – Não sou criminalista. Mas de uma coisa eu sei: alguém tem de pagar criminalmente pelo que aconteceu em Brumadinho e também pela tragédia de Mariana. Até hoje, ninguém foi preso pelo caso de Mariana. Em Brumadinho, havia essas cinco pessoas presas, cujas prisões foram revogadas pelo STJ. Sou a favor de que as investigações prossigam e cheguem a todos, do engenheiro que assinou o laudo ao presidente da Vale. Não dá pra punir apenas o técnico. As punições precisam chegar ao alto escalão da Vale. Caso contrário, nada vai mudar.

DINHEIRO – A DINHEIRO publicou, na edição passada, a denúncia de que uma empresa de engenharia (a Nicho) fez, em 2015, uma vistoria em Brumadinho, para a Vale, e apontou problemas em equipamentos fundamentais para a segurança da barragem: o piezômetro e o dreno.

XAVIER – Eu li a matéria e fiquei impressionado. Esse é um dos casos que prescindem de investigação rigorosíssima. Não se sabe o que a Vale fez após receber esse laudo técnico da Nicho. Mas se a empresa não fez nada para resolver esses problemas, isso irá configurar negligência grave. E negligência que causa a morte de 300 mortes, não é apenas negligência. É crime.

DINHEIRO – Esta semana, o senhor e outros deputados protocolaram, na Assembleia Legislativa, um pedido de abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito: a CPI da Mineração. Qual a intenção?

XAVIER – Vamos apurar tudo o que causou não apenas a catástrofe de Brumadinho, mas também o caso de Mariana. Em Mariana, por exemplo, tem muita coisa que já poderia e deveria ter sido feita e não foi. Não será uma CPI apenas de Brumadinho. Será uma CPI de todo o setor da mineração em Minas Gerais. Inclusive, com poder de pedir o indiciamento criminal dos envolvidos. Nosso Estado tem mais de 400 barragens. Eu costumo dizer que estamos vivendo sobre 400 bombas que podem explodir a qualquer momento. Faço questão de repetir: não podemos, em hipótese alguma, conviver com o risco de termos outra tragédia causada pela mineração em Minas Gerais ou em qualquer outro Estado do Brasil. Isso precisa acabar.

Supremo

Após adiamento, STF decide analisar pedido de liberdade de Lula


Piloto processa Boeing por suspensão do modelo 737 Max

danos psicológicos

Piloto processa Boeing por suspensão do modelo 737 Max

Em ação nos EUA, profissional não identificado afirma que a fabricante “demonstrou indiferença imprudente e desconsideração consciente ao público voador”

Buffett nega desavenças com Jorge Paulo Lemann sobre gestão da Kraft Heinz

investidores

Buffett nega desavenças com Jorge Paulo Lemann sobre gestão da Kraft Heinz

Depois de questionar rumos da companhia, mega-investidor afirmou que o brasileiro é “um bom amigo”. Grupo perdeu 50% do valor em um ano

Comércio eletrônico brasileiro tem nota abaixo do nível aceitável, mostra índice

e-commerce

Comércio eletrônico brasileiro tem nota abaixo do nível aceitável, mostra índice

Bilionários dos EUA pedem maiores impostos para eles mesmos

taxação de fortunas

Bilionários dos EUA pedem maiores impostos para eles mesmos

Documento defende que tributação aos mais ricos seja aplicada no combate ao aquecimento global, construção de creches e investimentos na saúde e educação

Bill Gates diz que seu maior erro foi não conseguir competir com o iOS da Apple

sistema operacional

Bill Gates diz que seu maior erro foi não conseguir competir com o iOS da Apple

Pai do sistema Windows disse que se arrepende de não focar os esforços no segmento, que posteriormente foi dominado pelo Google com o lançamento do Android


Finanças


Bolsa espelha queda no exterior e aproveita para realizar lucro

mercado financeiro

Bolsa espelha queda no exterior e aproveita para realizar lucro

Dólar sobe de olho no exterior e com alta de juros após ata do Copom

câmbio

Dólar sobe de olho no exterior e com alta de juros após ata do Copom


Blogs e Colunas


Feira Naturebas reúne vinhos orgânicos, biodinâmicos e naturais em SP

o mundo dos vinhos

Feira Naturebas reúne vinhos orgânicos, biodinâmicos e naturais em SP

A feira de vinhos orgânicos, biodinâmicos e naturais traz a sustentabilidade emtodas as suas etapas. Evento neste fim de semana. Evento neste fim de semana na Casa das Caldeiras, na zona oeste

Por um Brasil mais realista

por ricardo natale

Por um Brasil mais realista


Negócios e Tecnologia


Coca-Cola faz parceria com chinesa para patrocinar Olimpíadas até 2032

marketing esportivo

Coca-Cola faz parceria com chinesa para patrocinar Olimpíadas até 2032

Acordo com a Mengniu Dairy não teve valor divulgado, mas pode chegar a US$ 3 bilhões; contrato também prevê marketing nas edições dos jogos de inverno, Paralimpíadas e Olimpíadas da Juventude

Criptomoeda do Facebook traz riscos ao sistemas bancários, diz entidade

dinheiro virtual

Criptomoeda do Facebook traz riscos ao sistemas bancários, diz entidade

Entrada das bigtechs no mercado financeiro pode prejudicar a estabilidade econômica mundial ao reduzir a concorrência e apresentar riscos de vazamento de dados, afirma relatório


Internacional


Boris Johnson diz que precisa da ‘cooperação’ dos europeus

brexit

Boris Johnson diz que precisa da ‘cooperação’ dos europeus

Ucrânia suspende participação nos trabalhos da Assembleia do Conselho da Europa

diplomacia

diplomacia

Ucrânia suspende participação nos trabalhos da Assembleia do Conselho da Europa

Após sanções, Irã acusa EUA de fechar a porta para a diplomacia

tensão

tensão

Após sanções, Irã acusa EUA de fechar a porta para a diplomacia

Nasa foi hackeada por mini computador de 35 dólares

agência espacial

agência espacial

Nasa foi hackeada por mini computador de 35 dólares


Entrevista

JAIME ANCHÚSTEGUI, CEO DA GENERALI

JAIME ANCHÚSTEGUI, CEO DA GENERALI

"Temos € 500 bi para investir. O Brasil está nos planos"

A seguradora italiana Generali está concluindo um ambicioso processo de reestruturação. Ela investiu € 1 bilhão nos últimos três anos para tornar os processos mais tecnológicos e eficientes. Agora, a meta é crescer 25% até 2021, apostando na Ásia e na América Latina. E o Brasil está no topo da agenda, diz Jaime Anchústegui, CEO Internacional da companhia.


Economia

Governo chinês tenta aumentar controle sobre Hong Kong

Cerco

Governo chinês tenta aumentar controle sobre Hong Kong

Tentativa do governo chinês de aumentar o controle sobre o território semiautônomo é recebida com protestos e põe em xeque o futuro da região

Governo teme novas desidratações na Previdência

Reforma

Governo teme novas desidratações na Previdência

Novas derrotas do Executivo no Congresso aumentam temor de que haja ainda mais desidratações na reforma da Previdência e atrasam a retomada do crescimento

Teremos um novo pré-sal do gás brasileiro?

Petrobras

Teremos um novo pré-sal do gás brasileiro?

Reservas encontradas no Nordeste podem reduzir o preço pela metade, mas exploração exige investimentos altos e obrigará Petrobras a buscar parceiros


Mercado digital

Monges lançam e-commerce para democratizar vendas e controlar preços de uma das melhores cervejas do mundo

Monges lançam e-commerce para democratizar vendas e controlar preços de uma das melhores cervejas do mundo

Na abadia de Saint-Sixtus, na Bélgica, 19 monges fazem a aclamada Westvleteren 12


Editorial

O gás que faltava

Por Carlos José Marques

Por Carlos José Marques

O gás que faltava

Após o lote de revezes econômicos e as más notícias em cascata, eis que a confirmação de uma extraordinária descoberta de poços de gás natural em Sergipe e Alagoas, no maior anúncio desde o pré-sal em 2006, vem reabilitar os ânimos da população.


Finanças


Facebank? Zuckerberg anuncia moeda que poderá circular entre os 2,3 bilhões de usuários da rede social

Libra

Facebank? Zuckerberg anuncia moeda que poderá circular entre os 2,3 bilhões de usuários da rede social

Empresa de Mark Zuckerberg anuncia moeda que poderá circular entre os 2,3 bilhões de usuários de sua rede social. Perspectiva gera reações negativas de políticos e de autoridades econômicas

Cenário internacional levou Ibovespa aos 100.303 pontos

Mercado financeiro

Mercado financeiro

Cenário internacional levou Ibovespa aos 100.303 pontos

IPOs como o da Neonergia devem gerar R$ 23 bilhões em ações à venda

Energia no pregão

Energia no pregão

IPOs como o da Neonergia devem gerar R$ 23 bilhões em ações à venda

Paccar Financial quer financiar compra de caminhões

Financiamento

Financiamento

Paccar Financial quer financiar compra de caminhões


Semana

OMC critica subsídio americano à agricultura

Resumo dos fatos

Resumo dos fatos

OMC critica subsídio americano à agricultura

China, União Europeia e outros cinco membros da Organização Mundial do Comércio (OMC) criticaram o subsídio do governo Trump aos fazendeiros americanos


Negócios

O Magazine Luiza vai lucrar com a Netshoes?

Aquisição

O Magazine Luiza vai lucrar com a Netshoes?

A rede comandada por Frederico Trajano tem o desafio de integrar suas operações a um e-commerce que só deu prejuízo e justificar uma aquisição de US$ 115 milhões

Mappin renasce sob controle da Marabraz

Varejo

Mappin renasce sob controle da Marabraz

Varejista de móveis quer conquistar consumidores das classes A e B com o resgate da marca que ficou tradicionalmente conhecida por suas lojas de departamentos na capital paulista

Cargo X: o aplicativo dos caminhoneiros

Profissionalização

Cargo X: o aplicativo dos caminhoneiros

Para profissionalizar um mercado ainda carente de investimentos, a Cargo X redobra a sua atenção às transportadoras pequenas e médias


Estilo


Hotel Le Meurice é uma atração à altura dos grandes monumentos da capital francesa

Luxo

Hotel Le Meurice é uma atração à altura dos grandes monumentos da capital francesa

Com 29 acomodações recém-restauradas, o icônico Le Meurice, na Rue de Rivoli, é uma atração à altura dos grandes monumentos da capital francesa

A mais premiada estação de esqui dos EUA combina belezas naturais e esportes de neve

Nas montanhas

A mais premiada estação de esqui dos EUA combina belezas naturais e esportes de neve

Vizinha dos Parques Nacionais de Yellowstone e Grand Teton, a mais premiada estação de esqui dos Estados Unidos combina belezas naturais, ares de velho oeste e excelentes pistas para os esportes de neve


Colunas


A gente não quer só salário

moeda forte

A gente não quer só salário

James Delivery já responde por 40% dos pedidos on-line do GPA

dinheiro em bits

James Delivery já responde por 40% dos pedidos on-line do GPA

Barco-hospital leva atendimento médico a comunidades ribeirinhas

sustentabilidade

Barco-hospital leva atendimento médico a comunidades ribeirinhas

O alto custo da paz

cobiça

O alto custo da paz

Embraer faz a festa em Paris

Dinheiro em ação

Embraer faz a festa em Paris


Artigo

A falsa inocência dos influenciadores

Por Edson Aran

Por Edson Aran

A falsa inocência dos influenciadores

A “nova mídia” é desbalanceada, parcial, panfletária e muitas vezes politicamente radical. Na sua pior versão, é uma fábrica de fake news para confirmar “narrativas” políticas tão ficcionais quanto a novela das nove.


Premiação

Abertas as inscrições para o prêmio AS MELHORES DA DINHEIRO 2019

ranking setorial

ranking setorial

Abertas as inscrições para o prêmio AS MELHORES DA DINHEIRO 2019

A 16ª edição reconhecerá as empresas que se destacaram nas suas áreas de atuação

Inovações na Digital Agro ampliam produção

Digital Agro apresenta:

Digital Agro apresenta:

Inovações na Digital Agro ampliam produção

Entre 11 e 13 de junho, feira voltada à tecnologia no campo vai discutir integração de soluções para aumento de resultados

Plataforma Robbyson: uma nova forma de gerir, reconhecer e engajar para bons resultados

Robbyson apresenta:

Robbyson apresenta:

Plataforma Robbyson: uma nova forma de gerir, reconhecer e engajar para bons resultados

Tenho um bom número de pessoas para gerir, muitos deles são Millennials, conectados, ágeis, com universo e linguagens próprios. E agora?

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.