Às portas da nova previdência

Às portas da nova previdência

O País conta os dias para a adoção do novo regime previdenciário que deve, em parte, desafogar as contas públicas e sinalizar uma nova relação de trabalhadores com o Estado brasileiro. Falta pouco agora! O projeto provavelmente terá a sua aprovação final pelo Congresso nessa próxima semana e seguirá depois à sanção presidencial. Envolto nessa revolução está o conceito de liberalismo econômico preconizado pelo ministro Paulo Guedes, que defende um Estado enxuto, com poucos (ou nenhum) penduricalhos, voltado essencialmente para o desenvolvimento.

Falta um longo caminho ainda. As amarras que sustentam o déficit são inúmeras. Um carnaval de estatais ineficientes, a pesada folha de servidores e das benesses sem fim, os gastos obrigatórios com emendas parlamentares para fazer a máquina andar, tudo ainda está lá. Mas a conta previdenciária vinha evoluindo de maneira insustentável e desafogar o caixa da União, cortando parte das despesas sob essa rubrica, vai significar decerto um avanço sem precedentes. Na esteira da mudança, o Brasil sonha com voos mais altos.

Uma transformação tributária digna do nome, reformas administrativa e política idem, além do fim da burocracia estatal estão no topo da lista de prioridades almejadas por dez entre dez brasileiros. Vão acontecer? Não no ritmo esperado. Mas como tudo por aqui, é possível que aos trancos e barrancos, com a boa vontade da maioria, diversas dessas metas avancem. No plano fiscal, a atabalhoada negociação de saída atrapalhou o cronograma. Na estimativa otimista dos próprios gestores do tema, a votação das medidas vai ficar para o final de 2020. E o motivo está claro: em ano de eleição, como será o próximo, nenhuma pauta bomba que contrarie o eleitor é colocada na ordem do dia. Os políticos – partidos, parlamentares e governantes – não querem perder votos de seus aliados para os adversários. Mesmo as privatizações serão retardadas por gerarem resistências barulhentas nas ruas.

De todo modo, um importantíssimo passo – que levou décadas para sair do papel – está sendo dado. A mudança do modelo previdenciário é, como já foi inúmeras vezes referenciada, “a mãe de todas as reformas”. Ela corria o risco de mais uma vez naufragar na reta final. Parlamentares do Senado chegaram a ameaçar de boicote a votação, mas um acordo de última hora sobre a divisão de recursos do megaleilão da cessão onerosa do pré-sal salvou o projeto, abriu o caminho e destravou o ânimo dos resistentes. No Brasil é assim: até o minuto final não se pode cantar vitória antes do tempo. Mas está perto do apito. Que os torcedores não desistam.

(Nota publicada na Edição 1143 da Revista Dinheiro)

Veja também

+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial

+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”

+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?


Mais posts

O Brasil com Biden

Não dá mais para descartar a hipótese, cada vez mais concreta, de um novo governo nos EUA com o qual a bajulação bolsonarista não terá [...]

Hora do sufoco

É do conhecimento até do mundo mineral que as contas e perspectivas econômicas brasileiras não vão nada bem. Pois as novas projeções do [...]

O crescimento em “v”

Vivemos a ilusão de uma rápida, consistente e tranquila retomada econômica, no ritmo que os membros da equipe do ministro Paulo Guedes [...]

A pedalagem do renda cidadã

Foi um truque. Uma tentativa rasa de enganar a turba. O governo não se emenda. Tentou mudar o nome, de novo, do Bolsa Família – que já [...]

Lá vem o buraco fiscal

O primeiro sinal veio em forma de flexibilização da regra do teto, em uma área específica, já no corrente ano. O Congresso Nacional [...]
Ver mais

Copyright © 2020 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.