Edição nº 1100 14.12 Ver ediçõs anteriores

As peças no xadrez da Cielo

As peças no xadrez da Cielo

Desde o dia 13 de julho, quando Eduardo Gouveia renunciou ao cargo de presidente da Cielo, o nome de quem vai ocupar a cadeira de comandante da empresa de adquirência passou a ser especulado de todos os lados. Já é sabido que um dos candidatos mais fortes na corrida pelo comando da companhia, cujos sócios são Bradesco e Banco do Brasil, é o de Eduardo Chedid, presidente da Elo, que, segundo fontes do mercado, tem feito jogo duro para permanecer na bandeira de cartões. Mas, caso assuma o posto, o cotado para ocupar o seu lugar na Elo é Giancarlo Greco, que já trabalhou na bandeira American Express. Ao mesmo tempo em que pessoas ligadas ao Bradesco ganham força nos bastidores, outra corrente tem se movimentado por executivos que sejam indicados pelo Banco do Brasil. O nome de Marcelo Labuto, atual vice-presidente de varejo do BB, tem sido apontado. A conferir.

(Nota publicada na Edição 1082 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Pedro Arbex)


Mais posts

Pão de Açúcar quer lucrar com o James

Ana Paula Paiva/Valo Dez meses depois de iniciar uma parceria com a plataforma móvel de entregas Rappi, o Grupo Pão de Açúcar resolveu [...]

Agronegócio também puxa o crescimento da climatempo

Divulgação A Climatempo, maior e mais conhecida empresa de previsão meteorológica do Brasil, está desenvolvendo novas frentes de [...]

Carlos Wizard prefere Visa

A Hub Fintech, empresa de meios de pagamento que tem o bilionário Carlos Wizard Martins como dono de 90% do capital, acaba de fechar um [...]

Guerra interna na Anfavea

O clima anda tenso nos bastidores da poderosa associação nacional das montadoras, a Anfavea. As japonesas Toyota, Honda e Nissan, junto [...]

Charge

(Nota publicada na Edição 1100 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Felipe Mendes)
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.