Edição nº 1087 14.09 Ver ediçõs anteriores

As novas apostas do Alibaba

As novas apostas do Alibaba

O Alibaba está investindo em novos mercados. No começo do mês, a gigante do comércio eletrônico comandada por Jack Ma adquiriu o serviço chinês de delivery de refeições Ele.me por US$ 9,5 bilhões. Fundada em 2008, a companhia entrega, em média, 2,6 milhões de pedidos por dia. Não parou por aí. Na semana passada, o Alibaba injetou US$ 600 milhões na operação da SenseTime Group, startup chinesa que atua com reconhecimento facial para empresas e órgãos policiais. Fundada em 2014, a startup é a principal companhia do ramo. Ela tem valor de mercado estimado em US$ 4,5 bilhões.

(Nota publicada na Edição 1065 da Revista Dinheiro)


Mais posts

O inferno astral de Elon Musk não tem fim?

O empresário Elon Musk vive um inferno astral que parece não ter fim. Nos últimos meses, o fundador da Tesla tem recebido mais atenção [...]

Placa inteligente

O Rio de Janeiro será o primeiro Estado brasileiro a adotar às novas placas veiculares no padrão do Mercosul. Além de ser visualmente [...]

Estilo hi-tech

(Nota publicada na Edição 1087 da Revista Dinheiro)

Se a moda pega…

A operadora NET foi condenada a pagar duas indenizações, de R$ 5 mil cada uma, para ex-clientes que processaram a companhia por conta de problemas com a estabilidade e a velocidade dos planos de internet fixa contratados. As ações alegam que a empresa não cumpriu com as regras da Agência Nacional de Telecomunicações, que estipula […]

Reforço nos chips

A Intel está impulsionando a sua produção de processadores. Na segunda-feira 10, a companhia americana anunciou a aquisição da startup [...]
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.