Edição nº 1129 12.07 Ver ediçõs anteriores

Entrevista

Chamath Palihapitiya, fundador do Social Capital

As empresas que dominam a economia global são tão ou mais importantes do que os governos

David Paul Morris/Bloomberg

As empresas que dominam a economia global são tão ou mais importantes do que os governos

Rodrigo Loureiro
Edição 03/08/2018 - nº 1081

Aos 41 anos, Chamath Palihapitiya se considera um sortudo pela virada que sua vida tomou desde que migrou do Sri Lanka para o Canadá, em 1982, pouco antes de eclodir a maior guerra civil do país asiático, que resultou na morte de mais de 70 mil pessoas. Ele se formou engenheiro elétrico e, aos 26 anos, tornou-se o mais jovem vice-presidente na história da empresa de internet AOL. No ano seguinte, foi contratado pelo Facebook. Seis anos depois, em 2011, saiu da companhia de Mark Zuckerberg para criar o fundo de venture capital Social Capital, que investe em empresas que trabalham para transformar a sociedade. Alguns de seus principais investimentos são a Slack (aplicativo de mensagem), a Box (armazenamento em nuvem) e a brasileira Descomplica (educação). Com mais de US$ 2 bilhões para investir, o fundo do Vale do Silício desembarca no Brasil com a ideia de gerar mais oportunidades para empreendedores. Essa seria uma cesta de três pontos para Palihapitiya, que é um dos sócios do Golden State Warriors, time de basquete atual campeão da NBA.

DINHEIRO – Em diversas entrevistas, o senhor ressalta as dificuldades que teve em sua infância, principalmente por conta da mudança de país. Como foi crescer longe de “casa”?

CHAMATH PALIHAPITIYA – Eu nasci no Sri Lanka, que é um país de terceiro mundo. Em 1982, porém, minha família se mudou para o Canadá por conta da guerra civil. Quando você faz uma mudança deste tipo, não tem muito dinheiro e precisa lutar bastante para sobreviver. Minha mãe era uma dona de casa e meu pai estava desempregado. O que nos ajudou foram os programas sociais do Canadá, que permitiram que eu tivesse assistência médica e educação. Além do fato de que a educação superior lá é mais barata do que em outros países de primeiro mundo. É difícil saber se minha história teria sido a mesma em outro país.

DINHEIRO – Essa situação moldou o seu perfil como empreendedor?

PALIHAPITIYA – Quando olho para trás, sei que não sou particularmente especial ou único. Eu tive sorte. Muita sorte! Mesmo que houvesse diversos problemas em minha família, várias coisas que poderiam impedir que eu crescesse, eu tive saúde e educação. Isso me ajudou a atingir o meu potencial. Vários aspectos da minha vida e do trabalho que tenho feito, especialmente nos últimos anos à frente da Social Capital, estão relacionados a essa filosofia de querer ajudar as pessoas a atingirem seus potenciais. Eu acredito muito nas pessoas e quero criar um ambiente para que elas cresçam em suas vidas. Elas também merecem uma oportunidade.

DINHEIRO – Como a empresa do senhor está fazendo isso?

PALIHAPITIYA – Ao investir em startups, nós investimos bilhões de dólares para melhorar a qualidade da saúde e da educação ao redor do mundo. São pequenas contribuições da nossa empresa para que mais pessoas tenham uma chance de melhorar o mundo. Isso fará com que coisas incríveis sejam criadas.

DINHEIRO – Os governos podem ajudar as empresas a resolverem esses problemas?

PALIHAPITIYA – Com certeza. Eles precisam trabalhar juntos. Antes, os políticos tinham uma caixa de ferramentas para resolver os principais problemas da sociedade. Hoje, isso não existe mais. O mundo está muito mais conectado. As empresas que dominam a economia global são tão ou mais importantes do que os governos. As regras mudaram e é preciso pensar como vamos resolver os problemas atuais de maneira empreendedora.

DINHEIRO – O senhor acredita que o poder público poderia contribuir mais?

PALIHAPITIYA – Os governos com certeza devem investir mais no empreendedorismo local. Existem profissionais incríveis em todo o mundo que querem resolver as principais questões de suas comunidades. Os órgãos governamentais poderiam ter um papel muito mais ativo em levá-los à linha de frente nessas questões. Seja por meio de investimentos, criando conexões ou de outras maneiras.

DINHEIRO – O senhor disse que as empresas são mais importantes do que os governos. É uma afirmação forte. Poderia dar um exemplo?

PALIHAPITIYA – O Canadá decidiu que, se você está doente, você tem o direito humano de ter acesso ao sistema de saúde. Foi uma decisão fantástica. Hoje, isso já não funciona tão bem como antigamente. Se você precisa realizar exames mais complexos ou se está com uma doença grave, é provável que você tenha que esperar um longo tempo até ter acesso aos tratamentos adequados. O poder público começou algo incrível, mas é preciso trazer a iniciativa privada para criar um novo modelo de indústria. As regras estão mudando e os governos nunca estiveram tão dispostos a trabalhar com as companhias.

DINHEIRO – Aos 26 anos, o senhor se tornou o mais jovem vice-presidente da história da AOL. Foi uma surpresa?

PALIHAPITIYA – Fiquei totalmente surpreso. Estava lá e pensava que eu não merecia isso. O que eu tive na AOL foi algo que muitas pessoas têm só uma vez em suas vidas, que é contar com alguém que realmente acredita em você. Meu chefe era extremamente duro comigo, mas ele me amava como um filho. Ele constantemente me treinava e agia como um mentor. Foi ele quem decidiu colocar a sua própria carreira em risco quando me promoveu. Era algo arriscado e único. Quem ocupava esse cargo geralmente tinha 40 anos, 50 anos. Eu havia feito 26 anos.

DINHEIRO – No lugar dele, o senhor faria a mesma coisa?

PALIHAPITIYA – No meu tempo no Facebook, tive a oportunidade de fazer algo similar para o time que trabalhava comigo. E quando eu olho para aquele time hoje, vejo incríveis profissionais que não estão apenas no Facebook, mas em outras gigantes do mercado de tecnologia ou mesmo abriram as suas próprias startups. Uma das principais lições que eu levei de aprendizado da AOL foi que é preciso ajudar seus companheiros de trabalho a terem tanto sucesso como você teve.

“Eu cresci no Sri Lanka, que é um país de terceiro mundo. Minha família se mudou para o Canadá por conta da guerra” A guerra civil do Sri Lanka durou de 1983 e 2009 e resultou na morte de 70 mil pessoas no país (Crédito:Liu Heung Shing )

DINHEIRO – O senhor integrou a equipe de Mark Zuckerberg ainda nos primórdios da rede social, quando o site tinha menos de 5 milhões de usuários cadastrados. Hoje a plataforma conta com 2,2 bilhões de usuários, mas vive a maior crise de sua história. Como o senhor avalia o atual momento do Facebook?

PALIHAPITIYA – Creio que eles vão se recuperar dessa crise. É uma grande companhia e que tem um produto extremamente importante. Eles estão tomando decisões realmente difíceis sobre o papel das redes sociais no mundo. Zuckerberg e sua equipe não recebem qualquer crédito por isso. Imagine ser o dono de um dos negócios mais lucrativos do mundo e decidir diminuir o crescimento e os lucros da empresa para assumir uma responsabilidade social maior com a sociedade. Foi uma decisão extremamente importante tomada pelo Facebook e que as pessoas não têm noção disso. Poucas pessoas fariam isso. Zuckerberg merece crédito. Mais do que isso, merece paciência.

DINHEIRO – O senhor não permite que seus filhos usem aparelhos eletrônicos como celulares e tablets e nem que se conectem ao Facebook, correto?

PALIHAPITIYA – Cada pai precisa tomar decisões para suas famílias e essas decisões são pessoais. No meu caso, quando lembro do passado, eu me beneficiei muito por não ter dinheiro, um celular ou um videogame. Passava meu tempo na rua, praticando esportes, usando a minha imaginação e fazendo amizades. Meus filhos precisam vivenciar isso. Haverá uma hora que eles terão a liberdade para tomarem suas próprias decisões, é claro. É improvável que eles jamais usem as redes sociais. Mas eles terão o resto de suas vidas para interagirem virtualmente. É preciso ensinar o valor de coisas simples da vida, como a interação humana e o contato visual.

DINHEIRO – As redes sociais são um perigo para a sociedade?

PALIHAPITIYA – Assim como qualquer tecnologia, há coisas boas e ruins. Eu poderia dizer que amoras são saudáveis, mas você não deve comê-las em grandes quantidades e diariamente. Assim como eu também poderia falar que açúcar é ruim, mas você não precisa aboli-lo de sua vida. A chave é a moderação.

DINHEIRO – Por que o Social Capital está olhando com mais atenção ao mercado brasileiro?

PALIHAPITIYA – O Brasil tem um espaço no meu coração por vários motivos. Foi um dos primeiros países que nós trabalhamos para lançar o Facebook, quando eu estava na empresa. É também onde eu passo muito do meu tempo. Trabalhando e visitando. Há um grande ambiente empreendedor, repleto de talentos e coragem para criar. Analisando os maiores mercados do mundo, o Brasil e a Indonésia são os países que possuem a maior quantidade de oportunidades para serem exploradas nos negócios.

DINHEIRO – Qual é o grande obstáculo para trabalhar no País?

PALIHAPITIYA – Quando você está em um novo ecossistema de empreendedores, a coisa mais importante a se fazer é garantir que exista capital necessário em todos os estágios do trabalho. No Brasil, não há um grande suporte para os empreendedores. Não há dinheiro e nem know how suficiente. Também há pouco suporte de investidores que estão nos Estados Unidos. Quando você injeta capital nesses empreendedores, você liga um alerta em outros investidores que começam a fazer a mesma coisa. Eles entendem que aquela companhia pode ser realmente muito boa.

DINHEIRO – Um setor que tem se destacado bastante no Brasil são as fintechs, especialmente no que diz respeito a bancos digitais. Essas startups estão na mira do Social Capital?

PALIHAPITIYA – Os bancos digitais são importantes porque são algo que precisamos. É necessário criar novas maneiras para que o dinheiro possa circular no sistema capitalista de forma extremamente transparente. Hoje existe muito capital na mão de poucas pessoas. Os bancos digitais são uma maneira de democratizar a infraestrutura bancária para que indivíduos e pequenos negócios possam ter acesso aos mesmos recursos que as grandes companhias têm.

“Não faltam ideias inspiradoras no Brasil. O que existe é uma escassez de capital”Em 2014, a startup Descomplica, de Marco Fishben, recebeu US$ 5 milhões em um aporte do Social Capital (Crédito:Divulgação)

DINHEIRO – Quais startups o senhor destaca no ecossistema brasileiro?

PALIHAPITIYA – Fui um dos investidores do Peixe Urbano e o Social Capital investe na Descomplica, de educação online. Em um primeiro momento, é um pouco difícil de responder e vamos ter uma visão melhor nos próximos meses, depois que nos estabelecermos no País. O que é certo é que não faltam fundadores e ideias inspiradoras no Brasil. O que existe é uma escassez de capital e de recursos.

DINHEIRO – Um estudo produzido pelo site The Information revelou que as empresas fundadas por homens brancos eram os principais alvos de aportes de fundos de investimentos. Por outro lado, duas das maiores empresas do planeta, Google e Microsoft, são comandadas por CEOs nascidos na Índia. Como trazer a diversidade para o ambiente tecnológico?

PALIHAPITIYA – Produzir essa pesquisa foi o primeiro passo para resolver o problema de diversidade do Vale do Silício. Era preciso conseguir dados relevantes. A diversidade é importante e inevitável, porque é uma estratégia de sucesso. À medida que mais exemplos de equipes diversificadas surgirem, o restante da indústria invariavelmente copiará o modelo.

DINHEIRO – O senhor é conhecido por ser um entusiasta do mercado de criptomoedas. Por quê?

PALIHAPITIYA – É incrivelmente atraente ter moedas que sejam fundamentalmente descentralizadas de qualquer entidade ou região e que sejam digitais e altamente protegidas. O próximo passo óbvio e crucial é encontrar uma forma ponderada de abordar a regulamentação, o que ajudará as criptomoedas a se tornarem verdadeiramente comuns.

DINHEIRO – O senhor é um dos donos do time de basquete americano Golden State Warriors. Por que investir em esportes?

PALIHAPITIYA – À medida que passamos cada vez mais tempo em computadores e celulares, as experiências da vida real tornam-se ainda mais valiosas. Os esportes ao vivo têm uma maneira de unir as pessoas e aterrá-las no presente. Isso foi o que motivou o meu investimento nos Warriors. Tem sido incrível observar a disciplina e o coração dessa equipe.

Durante Cúpula

Brasil assina acordo que acaba com cobrança de roaming em países do Mercosul


Faceapp: aplicativo da moda pode roubar dados que você não imaginava

privacidade

Faceapp: aplicativo da moda pode roubar dados que você não imaginava

Aplicativo é capaz de coletar diversas informações que vão além das fotos. No Brasil, a lei de proteção de dados entrará em vigor em 2020 para impedir o mal uso das informações

Lava Jato diz que decisão de Toffoli impacta investigações

Ministro do STF

Lava Jato diz que decisão de Toffoli impacta investigações

Guedes elogia ideia para reincluir estados na reforma da Previdência

Ministro

Guedes elogia ideia para reincluir estados na reforma da Previdência

Polícia fecha fábrica clandestina de Ferrari e Lamborghini em SC

modelos falsificados

Polícia fecha fábrica clandestina de Ferrari e Lamborghini em SC

Carros falsificados eram produzidos sob demanda, a custo de R$ 180 mil a R$ 250 mil, enquanto um modelo original pode valer até R$ 3 milhões

Subaru terá que descartar mais de 2.100 veículos após grave problema em lote

Problema na solda

Subaru terá que descartar mais de 2.100 veículos após grave problema em lote

No total, 142 Legacy sedan e 1.965 Outback SUV foram afetados pelo problema de solda. A Subaru oferece opção de troca ou recompra do veículo

Confira vagas em concursos públicos com salário de até 31,9 mil

Oportunidades

Confira vagas em concursos públicos com salário de até 31,9 mil

Há oportunidades em concursos públicos para várias áreas de atuação e nível educacional, desde o ensino fundamental até o superior, em diversos estados

Herdeira da Disney diz que funcionários buscam comida no lixo para sobreviver

Crítica

Herdeira da Disney diz que funcionários buscam comida no lixo para sobreviver

Abigail Disney afirmou que se infiltrou um dos parques temáticos depois de receber uma mensagem via rede social de um dos funcionários do local

Bill Gates cai na lista dos homens mais ricos do mundo

fundador da microsoft

Bill Gates cai na lista dos homens mais ricos do mundo

Segundo lugar foi alcançado pelo CEO do conglomerado de marcas de luxo LVMHF, o francês Bernard Arnault, com patrimônio de US$ 108 bilhões


Estilo

Lotus revela seu primeiro super esportivo elétrico, o Evija

Super esportivo

Super esportivo

Lotus revela seu primeiro super esportivo elétrico, o Evija

A Lotus revelou seu primeiro super esportivo 100% elétrico, o Evija, primeiro modelo da marca sob controla da chinesa Geely, que também controla a Volvo


Dinheiro e Tecnologia


Instagram deixa de mostrar número de curtidas das postagens

Instagram deixa de mostrar número de curtidas das postagens

Renault investirá US$ 144 milhões na produção de carros elétricos na China

Renault investirá US$ 144 milhões na produção de carros elétricos na China

Segundo a Agência Internacional de Energia (AIE), o país tem mais de 2,3 milhões de veículos elétricos, ou 45% da frota mundial


Finanças


Dólar recua para R$ 3,76 após dois dias de alta, mas volume de negócios é fraco

Câmbio

Dólar recua para R$ 3,76 após dois dias de alta, mas volume de negócios é fraco

Nova York limita ganhos e Ibovespa fecha em alta de 0,08%

Após ciclo de baixa

Nova York limita ganhos e Ibovespa fecha em alta de 0,08%


Internacional


UE abre investigação sobre uso de dados comerciais pela Amazon

segurança

UE abre investigação sobre uso de dados comerciais pela Amazon

Procuradoria solicita julgamento para a Air France por acidente do voo Rio-Paris

acidente ocorreu em 2009

acidente ocorreu em 2009

Procuradoria solicita julgamento para a Air France por acidente do voo Rio-Paris

Homossexuais vão poder doar sangue na França após quatro meses de abstinência sexual

polêmica

polêmica

Homossexuais vão poder doar sangue na França após quatro meses de abstinência sexual

O destino das pedras lunares presenteadas pelos Estados Unidos

50 anos do apollo 11

50 anos do apollo 11

O destino das pedras lunares presenteadas pelos Estados Unidos


Negócios


A revolução Burger King. O primeiro a cuidar de cliente insatisfeito é o CEO

GESTÃO

A revolução Burger King. O primeiro a cuidar de cliente insatisfeito é o CEO

Depois de abrir o capital no fim de 2017 e de manter um crescimento consistente nos últimos meses, a rede de fast food aposta em tecnologia e na gestão do CEO Iuri Miranda para reinar no mercado de alimentação

Gigante da cannabis medicinal chega ao Brasil. 'País está atrasado 40 anos'

Pra não esquecer

Gigante da cannabis medicinal chega ao Brasil. 'País está atrasado 40 anos'

Grandes empresas do setor de cannabis medicinal começam a chegar ao Brasil prontas para investir num mercado que pode se tornar bilionário. Basta as regras do setor ficarem mais claras


Entrevista

'A privatização é mais importante que a Previdência para dar impulso à economia brasileira'

Mark Mobius, sócio e fundador da Mobius Capital Partners

Mark Mobius, sócio e fundador da Mobius Capital Partners

'A privatização é mais importante que a Previdência para dar impulso à economia brasileira'

O gestor de recursos Mark Mobius administra fundo de US$ 200 milhões e diz que as ações brasileiras estão entre as favoritas


Mercado digital


Taboola: plataforma de conteúdo digital já atinge 1,4 bilhão de usuários

Mr. Conteúdo

Taboola: plataforma de conteúdo digital já atinge 1,4 bilhão de usuários

Taboola atinge 1,4 bilhão de pessoas distribuindo notícias e já tem 700 sites parceiros no Brasil

Saiba o que o GPA fez com seu e-commerce, que cresce 85% em 2019

Fórmula omnichannel

Saiba o que o GPA fez com seu e-commerce, que cresce 85% em 2019

Vendas por E-commerce nas redes Extra e Pão de Açúcar crescem 85% e consolidam a estratégia Omnichannel do GPA


Editorial

A reforma possível

por carlos josé marques

por carlos josé marques

A reforma possível

Sem ações adicionais no campo econômico, dificilmente a retomada se dará no ritmo desejado. Existe uma extensa lista de medidas a ser adotada de imediato para a reversão da crise e uma reportagem especial nesta edição trata a fundo o assunto. Quanto ao ânimo em voga no País, é preciso manter o otimismo


Finanças


A XP olha para outras praças

Após sucesso de evento

A XP olha para outras praças

Depois do sucesso de seu seu megaevento para investidores e agentes autônomos em São Paulo, empresa quer levá-lo para todo o Brasil

CVM aumenta fiscalização contra pirâmides financeiras e criptomoedas

Sempre alerta

CVM aumenta fiscalização contra pirâmides financeiras e criptomoedas

CVM intensifica fiscalização sobre pirâmides financeiras, em especial as que envolvem criptomoedas


Economia

O que será do FMI após Lagarde?

Disputa temerosa

Disputa temerosa

O que será do FMI após Lagarde?

Uma temerosa disputa sucessória toma conta do Fundo Monetário Internacional depois que sua diretora-executiva foi nomeada para presidir o Banco Central Europeu


Semana

Cade condena 11 empresas por cartel de trens e metrôs

Resumo dos fatos

Resumo dos fatos

Cade condena 11 empresas por cartel de trens e metrôs

Depois de seis anos de investigação, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) condenou 11 empresas e 42 pessoas por formação de cartel em licitações públicas de trens e metrôs em São Paulo, Distrito Federal, Minas Gerais e Rio Grande do Sul


Estilo


Do MoMA para o seu escritório

Herman Miller

Do MoMA para o seu escritório

Depois de conquistar um espaço permanente no Museu de Arte Moderna de Nova York, a grife de móveis corporativos Herman Miller investe na produção local para ampliar sua exposição no Brasil

A nova onda do chocolate gourmet

Crescimento do setor

A nova onda do chocolate gourmet

Em um movimento similar ao das cervejas artesanais, o segmento bean to bar projeta forte crescimento no Brasil


Colunas


“A reforma tributária vai aumentar a arrecadação”

Moeda Forte

“A reforma tributária vai aumentar a arrecadação”

Serafim de Abreu Júnior, vice-presidente da IBM América Latina

Bill Gates revela o segredo de Steve Jobs: feitiços

Dinheiro em bits

Bill Gates revela o segredo de Steve Jobs: feitiços

Four Seasons adere às experiências de luxo

Cobiça

Four Seasons adere às experiências de luxo

1,2 trilhão de árvores para conter o aquecimento global

Sustentabilidade

1,2 trilhão de árvores para conter o aquecimento global

Petrobras estimula concorrência no mercado de gás natural

Dinheiro em ação

Petrobras estimula concorrência no mercado de gás natural


Artigo

O transporte dos produtos que consumimos é sustentável?

Por Márcio D’Agosto e Cíntia Machado

Por Márcio D’Agosto e Cíntia Machado

O transporte dos produtos que consumimos é sustentável?


Publieditorial XP Investimentos

Descubra a maior cidade da América Latina

São Paulo

Descubra a maior cidade da América Latina

Facilidade de acesso e variedade de opções de transporte complementam os diferenciais do Centro de Convenções

Saiba como chegar ao Transamerica Expo Center

Mobilidade

Saiba como chegar ao Transamerica Expo Center

Facilidade de acesso e variedade de opções de transporte complementam os diferenciais do Centro de Convenções

Dicas de hospedagem, diversão e serviços próximos ao Transamerica Expo Center

Turismo

Dicas de hospedagem, diversão e serviços próximos ao Transamerica Expo Center


Publieditorial

Inovações na Digital Agro ampliam produção

Digital Agro apresenta:

Digital Agro apresenta:

Inovações na Digital Agro ampliam produção

Entre 11 e 13 de junho, feira voltada à tecnologia no campo vai discutir integração de soluções para aumento de resultados


Artigo

É hora de dar um gás!

Por Milton Rego, presidente da Abal

Por Milton Rego, presidente da Abal

É hora de dar um gás!

"O setor elétrico brasileiro já foi considerado um dos mais eficientes do mundo. Mas isso ficou no passado. O resultado desse desarranjo é que o preço da energia elétrica responde hoje por mais de 60% do custo da etapa primária de produção do alumínio"

Copyright © 2019 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.