As contas do Brasil em 2021

As contas do Brasil em 2021

É preciso anotar na ponta do lápis a quantidade de compromissos – e dos valores – agendados para os gastos do ano que se inicia. E eles começam justamente na ponta do social, que é a pedra de toque para a sustentação também desse governo. O presidente e seus assessores se deparam com um imenso dilema: como fazer frente à avalanche de despesas dos programas assistências sem estourar o bendito e vigiado teto dos gastos? Jair Bolsonaro já foi convencido e não arreda pé da ideia de que somente o “Bolsa Família”, ou seja lá qual for o nome dado a ajuda rotineira e mensal às camadas mais pobres, garante a ele alguma chance de reeleição em 2022. Disso, até o mundo mineral está careca de saber. O capitão, na sua primeira metade de mandato, tratou de destruir pontes, bagunçar a credibilidade em meio a um festival de sandices, mostrar, em suma, que possui aptidão zero para o cargo. Não é, nem nunca foi, um chefe da Nação na completa descrição do cargo. Ao contrário, agiu como opositor dele mesmo a cada deliberação e reação que tomou. Para atender ao programa, na dimensão que Messias almeja e precisa para caracterizar seu papel de redentor da pátria, é preciso verba. Dinheiro que anda em falta. Não há recursos extras, nem de onde tirar. O presidente já emitiu uma espécie de memorando ao Congresso solicitando autorização para pedir emprestado algum recurso lá fora. Deseja apelar aos papagaios, medida não apenas perigosa como sinalizadora de fragilidade financeira. Não ajuda em nada a economia um movimento como esse. A leitura dos investidores é clara e direta: se o País corre atrás de linhas de crédito, não vai bem. Para ficar bem com a turba, o mandatário tentou até jogar verde, mentindo mais uma vez, como é corrente e de seu feitio desde que assumiu o Planalto. Na lorota da vez, alegou que não concedeu o 13º do auxílio porque o Congresso vetou. Bravatas possuem perna curta. Logo Rodrigo Maia, que comanda a Câmara dos Deputados até fevereiro próximo, veio em resposta. Deixou claro que a deliberação foi do Executivo. Ameaçou votar de imediato a medida, caso o capitão não desmentisse o que disse. Corre daqui e dali, o ministro da Economia, Paulo Guedes, teve de assumir de público que era decisão interna de governo. Ficou feio, mais uma vez, para o caudilho bananeiro. Bolsonaro não se emenda. Segue flertando, dia sim, outro também, com pedalagens fiscais arriscadas, que podem lhe arrancar o cargo. Está numa encruzilhada contábil gigantesca. O orçamento, aprovado já com um déficit-monstro que supera a casa dos R$ 247 bilhões, não tem espaço para nada. Nem dará conta
dos compromissos já agendados. Em 2021, o tamanho da encrenca econômica – incluindo as dívidas de títulos a vencer – é algo que pode ser classificado na categoria de indecente. Vamos esperar para ver.

Carlos José Marques, diretor editorial

Veja também

+ Carreira da Década - Veja como ingressar na carreira que faltam profissionais, mas sobram vagas
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel


Sobre o autor

Carlos José Marques é diretor editorial da Editora Três e escreve semanalmente os editoriais da revista DINHEIRO


Mais colunas e blogs


Mais posts

A pendenga do combustível

Passam do limite do razoável as novas injunções do presidente Bolsonaro para ter alguma ingerência sobre os preços dos combustíveis. [...]

Economia comemora Lira

Especialmente no Ministério da Economia foi festejada com grande euforia a vitória de Arthur Lira para a presidência da Câmara dos [...]

Outra cabeça técnica fora

A saída do presidente da Eletrobrás, Wilson Ferreira Júnior, consolidou no mercado uma impressão que já crescia dia a dia: no governo, [...]

O grande teste do BB

Do ponto de vista da garantia de uma estrutura técnica mínima no governo, a permanência do recém-empossado André Brandão na presidência [...]

A hora da verdade fiscal

Há um temor unânime no mercado financeiro: o Brasil vem flertando com o desastre fiscal. No comunicado divulgado pelo Banco Central [...]
Ver mais

Copyright © 2021 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.