As abelhas estão sumindo (e a culpa é dos agrotóxicos)

As abelhas estão sumindo (e a culpa é dos agrotóxicos)


As abelhas estão sumindo. Segundo um estudo realizado pela Agência Pública e pela ONG Repórter Brasil, mais de 500 milhões de abelhas foram encontradas mortas por apicultores desde dezembro de 2018 em quatro estados brasileiros. Os números foram levantados por meio de estimativas de associações de apicultura, secretarias de agricultura e pesquisas realizadas por universidades. Os principais causadores do extermínio, de acordo com a pesquisa, foram os contatos com agrotóxicos à base de neonicotinoides, uma classe de inseticidas derivados da nicotina; e de Fipronil, inseticida que age nas células nervosas dos insetos que é, inclusive, proibido na Europa. Conhecidas pela eficiente capacidade de polinização – o transporte de pólen de uma flor para a outra –, as abelhas são elementos cruciais para o funcionamento do ecossistema. Se você gosta de frutas como melancia ou maracujá, deve agradecer (e muito) o trabalho realizado por essas operarias da natureza.

(Nota publicada na Edição 1112 da Revista Dinheiro)








Sobre o autor


Mais colunas e blogs


Mais posts

Ver mais

Copyright ©2022 - Três Editorial Ltda.
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento: A Três Comércio de Publicações Ltda., empresa responsável pela comercialização das revistas da Três Editorial, informa aos seus consumidores que não realiza cobranças e que também não oferece o cancelamento do contrato de assinatura mediante o pagamento de qualquer valor, tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A empresa não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças.