Edição nº 1099 07.12 Ver ediçõs anteriores

Argentinos vão a campo

Argentinos vão a campo

Os argentinos já deixaram os gramados da Copa do Mundo da Rússia, mas no campo do agronegócio os hermanos estão animados como nunca. Basta olhar para os números da seguradora portenha Sancor. Fundada há sete décadas, a companhia está no Brasil há cinco anos, e faturou R$ 291 milhões no ano passado. O maior crescimento tem sido no agronegócio, cujo faturamento avançou 209% nos últimos três anos. O foco tem sido na região Sul do Brasil, mas a companhia agora pretende expandir suas atividades para o interior paulista. Segundo Leandro Poretti, diretor-geral da companhia no Brasil, a seguradora deve iniciar as atividades em breve na região de Ribeirão Preto.

(Nota publicada na Edição 1077 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Claudio Gradilone, Luana Meneghetti e Pedro Arbex)


Mais posts

Rumo ao Brechó digital

A Redpoint eventures, empresa americana de capital de risco que aposta em startups de tecnologia, vai investir na Repassa, empresa de [...]

A novela da Sapore

Depois de duas tentativas fracassadas ao longo do ano, a saga da fusão entre as empresas Sapore, uma das maiores fornecedoras de [...]

A visão da Monkey

A fintech Monkey Exchange, marketplace de antecipação de recebíveis, vai ampliar de 10 para 30 o número de clientes de grande porte em [...]

Por que a Audi vai investir € 40 bilhões?

A alemã Audi parece decidida a buscar a liderança do mercado de novas tecnologias. Em cinco anos, a empresa planeja investir € 40 [...]

Charge

(Nota publicada na Edição 1099 da Revista Dinheiro, com colaboração de: Claudio Gradilone e Valéria Bretas)
Ver mais
X

Copyright © 2018 - Editora Três
Todos os direitos reservados.

Nota de esclarecimento A Três Comércio de Publicaçõs Ltda. (EDITORA TRÊS) vem informar aos seus consumidores que não realiza cobranças por telefone e que também não oferece cancelamento do contrato de assinatura de revistas mediante o pagamento de qualquer valor. Tampouco autoriza terceiros a fazê-lo. A Editora Três é vítima e não se responsabiliza por tais mensagens e cobranças, informando aos seus clientes que todas as medidas cabíveis foram tomadas, inclusive criminais, para apuração das responsabilidades.