Economia

Argentina e Equador precisam de reformas estruturais, alerta FMI

Argentina e Equador precisam de reformas estruturais, e podem precisar de mais apoio, afirmou nesta sexta-feira a diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva. Em discussão sobre o financiamento da recuperação do impacto da covid-19, a diretora citou os dois países em um grupo de emergentes com altas dívidas e economia pouco diversificada, com grande dependência de algumas commodities. “Não basta empurrar” os problemas que levaram às atuais crises, afirmou.

Ainda assim, Georgieva fez previsões otimistas, e indicou que espera “um futuro melhor para os países emergentes”.

Na perspectiva do FMI, o PIB global terá crescimento de 5,2% em 2021. A dirigente espera uma vacina contra a covid-19 para disponível em meados do ano que vem, e a erradicação dos efeitos da pandemia na economia em 2022.

Uma grande questão colocada por Georgieva foi a situação de países de menor renda. “Não queremos uma nuvem de desconfiança para todos”, disse ela, afirmando que o ideal é observar cada nação individualmente, já que algumas fizeram “o dever de casa”, não podendo todos serem tratados da mesma forma. Sobre o continente africano, projetou crescimento de 3% em 2021, abaixo do global, o que representa um problema para diversos países que vinham apresentando dinamismo.



Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel