Giro

Argentina alcança os 1.000 mortos por coronavírus

Argentina alcança os 1.000 mortos por coronavírus

(Arquivo) O presidente da Argentina, Alberto Fernández - Argentina's Presidency Press Office/AFP

A Argentina alcançou as 1.000 mortes por coronavírus com oito novos falecidos pela doença até o último sábado, e o número de casos acumulados subiu para 41.191, segundo dados divulgados neste domingo (21) pelas autoridades.

O Ministério da Saúde informou que do total de casos confirmados 12.728 pessoas se recuperaram, e 27.476 ainda estão com a doença, de acordo com a agência nacional de notícias, Télam.

A taxa de mortalidade ou número de vítimas mortais por casos registrados subiu para 2,4%, ou 21,9 mortes por cada milhão de habitantes, disse o subsecretário de Estratégias Sanitárias, Alejandro Costa, mencionado pela agência nacional.

A curva de casos de coronavírus tem aumentado no país, onde até o presidente Alberto Fernández limitou suas atividades na semana passada para evitar ser contaminado, seguindo orientações médicas.

A medida foi tomada para combater “a progressão no número de casos positivos registrados na região metropolitana de Buenos Aires que mostram um aumento significativo da circulação do vírus”, segundo o comunicado oficial assinado por Federico Saavedra, à frente da Unidade Médica Presidencial.

O presidente deve “restringir o contato interpessoal, tanto quanto possível”, no contexto de “cuidados para mitigar os efeitos da COVID-19”, afirmou o comunicado.

Fernández, 61 anos, vinha ativamente realizando visitas oficiais e até passeios por Buenos Aires, geralmente acompanhados por funcionários do governo.

Nos últimos dias, foram relatados vários casos do novo coronavírus em funcionários e líderes políticos do partido no poder e da oposição.

As autoridades citadas pelo portal da emissora TN informaram que 95% dos casos que surgiram nas últimas 24 horas foram registrados na região metropolitana que compõe a capital federal Buenos Aires e sua periferia, onde estão 14 milhões dos quase 45 milhões de habitantes do país.

Buenos Aires está em confinamento obrigatório há mais de três meses, com exceção dos serviços essenciais e algumas atividades comerciais que foram flexibilizadas, além saídas limitadas para crianças e esportistas.

Continuam proibidos grandes espetáculos, incluindo eventos artísticos e esportivos, a circulação em shopping centers ou qualquer outro tipo de evento com multidões.

Na segunda-feira, o presidente Alberto Fernández realizará uma reunião com o governador de Buenos Aires, Axel Kicillof, e o chefe de governo da capital, Horacio Rodríguez Larreta, para avaliar qual será o futuro das medidas contra a pandemia.

Veja também

+ Sandero deixa VW Polo GTS para trás em comparativo
+ Veja os carros mais vendidos em outubro
+ Grave acidente do “Cake Boss” é tema de reportagem especial
+ Ivete Sangalo salva menino de afogamento: “Foi tudo muito rápido”
+ Bandidos armados assaltam restaurante na zona norte do RJ
+ Mulher é empurrada para fora de ônibus após cuspir em homem
+ Caixa substitui pausa no financiamento imobiliário por redução de até 50% na parcela
+ Teve o auxílio emergencial negado? Siga 3 passos para contestar no Dataprev
+ iPhone 12: Apple anuncia quatro modelos com preço a partir de US$ 699 nos EUA
+ Veja mudanças após decisão do STF sobre IPVA
+ T-Cross ganha nova versão PCD; veja preço e fotos
+MasterChef: competidora lava louça durante prova do 12º episódio’
+As 10 picapes diesel mais econômicas do Brasil
+ Cozinheira desiste do Top Chef no 3º episódio e choca jurados
+ Governo estuda estender socorro até o fim de 2020
+ Pragas, pestes, epidemias e pandemias na arte contemporânea
+ Tubarão-martelo morde foil de Michel Bourez no Tahiti. VÍDEO

+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?