Geral

Apple libera aplicativos de delivery de maconha nos Estados Unidos

Crédito: Pixabay

Política de aplicativos da Apple mudou em junho e passou a permitir delivery de maconha nos estados nos quais é legalizada (Crédito: Pixabay)

Já é possível comprar cannabis de aplicativos baixados pela Apple Store nos Estados Unidos. Depois de banir apps que facilitam a comercialização da planta, agora a empresa permite serviços de delivery em sua plataforma.

A nova política da App Store foi atualizada em 7 de junho deste ano e passa a permitir que farmácias licenciadas e lojas que vendem maconha legalmente possam oferecer seus serviços. As políticas anteriores proibiam o encorajamento do consumo de tabaco, substâncias controladas, excesso de álcool e maconha.

+ Colheita de café dos cooperados da Cooxupé atinge 70,96% da área
+ Cubanos no exterior enviam remédios para aliviar escassez grave de Cuba

A App Store aprovou o primeiro delivery de cannabis em 8 de julho. Trata-se da Eaze, loja que conta com 2 milhões de usuários registrados na Califórnia – o entregador precisa verificar a identidade do comprador. Em comunicado, a Eaze afirmou que a permissão da App Store é “um marco importante para o mercado legal de cannabis e os consumidores”.



Desde então, a loja da Apple que lista os aplicativos para serem baixados integrou outras empresas de delivery cannábico: Beta, Caliva, Pineapple Express e, mais recentemente, o Weedmaps, que permite a localização de lojas que vendem maconha legal mais próximas do usuário. O Weedmaps já era permitido com a antiga política da Apple, mas agora adotou o serviço de entrega.

No entanto, há restrições. Em primeiro lugar, os aplicativos que oferecem serviços em “campo altamente regulamentados”, como bancos, saúde ou cannabis, só são permitidos na App Store se for uma “entidade legal que fornece os serviços, não um desenvolvedor individual”.

Além disso, os aplicativos de delivery cannábico só podem ser baixados nos estados em que a venda da erva é permitida. O recurso de geolocalização impede o acesso à droga nos estados que proíbem seu consumo.

Enquanto a Apple libera os aplicativos de entrega de cannabis, o Google ainda proíbe que aplicativos de delivery cannábico ingressem na Google Play Store. Os aplicativos para Android estão proibidos de facilitar a venda de maconha ou qualquer produto derivado.

Veja também
+ Até 2019, havia mais gente nas prisões do que na bolsa de valores do Brasil
+ Gel de babosa na bebida: veja os benefícios
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Chef playmate cria receita afrodisíaca para o Dia do Orgasmo
+ Mercedes-Benz Sprinter ganha versão motorhome
+ Anorexia, um transtorno alimentar que pode levar à morte
+ Agência dos EUA alerta: nunca lave carne de frango crua
+ Yasmin Brunet quebra o silêncio
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Veja quanto custa comer nos restaurantes dos jurados do MasterChef
+ Leilão de carros e motos tem desde Kombi a Nissan Frontier 0km