Ciência

Apple e Google integram rastreamento de contatos por covid-19 aos celulares

Crédito: AFP/Arquivos

Apple e Google iniciaram colaboração para melhorar acompanhamento da covid-19 pelos smartphones (Crédito: AFP/Arquivos)

A Apple e o Google vão integrar diretamente aos celulares seus sistemas de rastreamento de contato para acompanhar o avanço da covid-19, eliminando assim a necessidade de projetar e baixar um aplicativo para esse finalidade.

As duas empresas de tecnologia norte-americanas lançaram em abril passado uma ferramenta para que donos de celulares equipados com o sistema iOS (Apple) e Android (Google) pudessem compartilhar informações com aplicativos criados pelas autoridades de saúde, através do Bluetooth.

+ Apple aprova acidentalmente malware para MacOS
+ Apple e Tesla desdobram ações e operam em alta na Nasdaq

Esses aplicativos, que podem ser baixados das plataformas de ambas as empresas, permitem avisar seus usuários, se estiveram em contato com outro usuário infectado pelo coronavírus nos dias anteriores.

As futuras versões do iOS e do Android, os sistemas operacionais mais usados para smartphones, agora irão integrar o sistema de notificação de exposição a coronavírus. Com isso, as autoridades públicas não precisarão mais criar um aplicativo de rastreamento.

Os proprietários do dispositivo terão de concordar com a ativação dessa ferramenta para que ela funcione.

Veja também

+ 5 benefícios do jejum intermitente além de emagrecer
+ Jovem morre após queda de 50 metros durante prática de Slackline Highline
+ Conheça o phloeodes diabolicus "o besouro indestrutível"
+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Mulher finge ser agente do FBI para conseguir comida grátis e vai presa
+ Zona Azul digital em SP muda dia 16; veja como fica
+ Estudo revela o método mais saudável para cozinhar arroz
+ Arrotar muito pode ser algum problema de saúde?
+ Tubarão é capturado no MA com restos de jovens desaparecidos no estômago
+ Cinema, sexo e a cidade
+ Descoberta oficina de cobre de 6.500 anos no deserto em Israel